Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

09 Julho de 2018 | 19h26 - Actualizado em 09 Julho de 2018 | 19h26

PGR instaura processo para esclarecer mortes na ZEE

Luanda - Um procedimento criminal foi aberto pela Procuradoria-geral da República (PGR) para apurar responsabilidades sobre intervenção policial na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda/Bengo, que resultou em quatro vítimas, das quais duas mortais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Palácio da Justiça, edifício onde funciona a PGR

Foto: Henri Celso

Em causa está uma suposta invasão de terrenos por populares naquele perímetro, ocorrida a 4 deste mês (Julho), o que “forçou” a uma interposição policial.    

No seguimento do processo, a PGR refere, em nota de imprensa a que a Angop teve acesso hoje, segunda-feira, ter sido “já constituído arguido o agente José Henriques Bartolomeu, a quem foi aplicada a medida de coação de prisão preventiva”.

Num comunicado de 5 deste mês, o Comando Provincial da Polícia Nacional, em Luanda, informou que o incidente ocorreu na sequência de uma tentativa de invasão de terrenos na ZEE.

Refere igualmente que do confronto entre as forças policiais afectas à área e a população resultou em disparos de arma de fogo, com o intuito de dispersar a multidão.

Noutro documento do Ministério Público, lamenta-se “profundamente” a morte do funcionário Lucas Chissolokumbe Chivukuvuku, ocorrido a 5 de deste mês, “por circunstâncias que continuam a ser esclarecidas”.

Segundo a PGR, o malogrado era Oficial de Diligência junto do SIC-Crimes económicos em Luanda.

A função que Lucas Chivukuvuku exercia, prossegue a nota, não incluía responsabilidades específicas para a investigação de crimes ou capacidade para determinar restrição de movimentação financeira no âmbito da instrução processual.

Neste quadro, a PGR afasta “a presunção de que a morte tenha como movimentação uma eventual perseguição por razões profissionais”.

PN desmente assassinato de Lucas Chivukuvuku

Ainda sobre este caso, a Polí­cia Nacional (PN) desmentiu, em nota, a informação de que Lucas Chivukuvuku tenha sido vítima de assassinato e esclarece que o mesmo morreu na sequência de acidente de viação, causado por um motorista de táxi alcoolizado e que já está detido.

Num comunicado, a PN refere que Lucas Chivukuvuku, de 32 anos, morreu num despiste e "consequente tombamento" de uma carrinha Toyota Hiace, de cor azul e branca, ocorrido na noite da última quinta-feira, 5 de Julho.

Deste modo, as autoridades desmentem a informação posta a circular nas redes sociais no último fim-de-semana, segundo a qual teria sido assassinado, alegadamente por estar a investigar casos de corrupção envolvendo altas figuras da sociedade angolana.

Assuntos Angola   PGR  

Leia também