Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

06 Setembro de 2018 | 16h27 - Actualizado em 07 Setembro de 2018 | 12h20

Arguidos do desvio "milionário" aguardam julgamento em prisão preventiva

Lubango - Os arguidos do caso de desvio de mais de 200 milhões de Kwanzas, destinados a aquisição de laboratórios para 23 escolas do II Ciclo da província da Huíla, vão aguardar pelo julgamento em regime de prisão preventiva.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O processo envolve cinco pessoas, mas nesta quinta-feira foram interrogados o director provincial da educação, Américo Chicote, o antigo delegado das finanças, Sousa Dala, e o ex-secretário-geral do governo provincial, António Ndasindondyo, numa acareação marcada por contradições entre os arguidos.

A medida de prisão preventiva até ao julgamento foi decretada pelo procurador junto ao Serviço de Investigação Criminal, Adão do Nascimento, e abrange também aos empresários que deviam comprar os laboratórios.

Da procuradoria junto do Serviço de Investigação Criminal, os arguidos foram transportados, numa viatura dos Serviços Prisionais, para a penitenciária do Lubango.

Inconformado com a posição do ministério público, José Carmona, advogado de Américo Chicote, disse que vai requerer uma reapreciação da medida de coação, alegando que os factos não foram “bem avaliados”.

“Esta é uma medida de coação severa, o que nos leva a requerer uma fiscalização jurisdicional ao Tribunal Provincial da Huíla, para a reapreciação da medida”, referiu o advogado, para quem o seu cliente nega a recepção de três milhões de Kwanzas, a título de comissão, na atribuição de contrato para a compra dos laboratórios.

Um outro causídico que representa os outros dois arguidos, Teotónio Londa, admitiu que houve várias versões no interrogatório, mas que não se justifica a prisão preventiva decretada.

O presente caso despoletou em Abril último, por suposto envolvimento no desvio de parte dos dois mil milhões, 408 milhões, 85 mil, 343 kwanzas e 75 cêntimos disponibilizado pelo Ministério das Finanças, em 2014, para o pagamento de subsídios de exame e de chefia no sector da Educação na região.

Os 200 milhões de Kwanzas foram recebidos do Governo Provincial da Huíla em 2015, para adquirir 23 laboratórios para escolas do I e II ciclos da província.

Assuntos Crime   Província » Huíla  

Leia também
  • 04/09/2018 18:31:11

    Detido antigo secretário-geral do governo provincial da Huíla

    Lubango - O antigo secretário-geral do governo provincial da Huíla, António Ndassindondyo, de 68 anos de idade, reformado em Maio último, foi hoje detido, pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC), em cumprimento a uma ordem de prisão da PGR, por suposto envolvimento em crime de peculato, abuso de confiança, lavagem de dinheiro, associação criminosa e corrupção passiva.

  • 03/09/2018 20:16:11

    SIC detém director da Educação e antigo delegado das Finanças

    Lubango - O director do Gabinete Provincial da Educação, Américo Chicote, e o antigo delegado das Finanças, Sousa Dala, foram detidos hoje, segunda-feira, pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC).

  • 21/08/2018 13:36:06

    Conservadora detida por atribuição de nacionalidade a estrangeiros

    Lubango - A conservadora dos Registos Civis da Huíla, Emília Albertina Cacuhu, foi detida na última sexta-feira pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC), sob acusação de crimes de falsificação de documentos, atribuição de nacionalidade a estrangeiros e burla.