Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

04 Setembro de 2018 | 15h14 - Actualizado em 04 Setembro de 2018 | 15h59

PR sugere aumento do investimento chinês

Beijing (Dos enviados especiais) - O Presidente da República, João Lourenço, sugeriu hoje, terça-feira, em Beijing (China), o aumento do investimento directo de empresas chinesas na produção de bens de consumo em Angola.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da República, João Lourenço (à esq.), com o seu homólogo chinês, Xi Jinping

Foto: Francisco Miúdo

João Lourenço, que discursava na Cimeira do Fórum de Cooperação China-África, afirmou que o aumento do investimento deverá ser feito por via de parcerias mutuamente vantajosas com empresários angolanos.

Segundo o estadista angolano, o entendimento deve incluir a partilha de tecnologia, conhecimento científico e a formação de quadros angolanos.

Sublinhou que a nova legislação do país, nesse segmento, tornou-se mais atractiva ao investidor nacional e estrangeiro, criando um melhor ambiente de negócios.

Para assegurar o êxito desses programas bilaterais de cooperação, considerou importante que se estabeleçam mecanismos práticos.

Para o Presidente da República, esses mecanismos devem possibilitar o acesso aos recursos financeiros necessários para o sucesso das medidas de políticas estabelecidas pelas nações africanas.

João Lourenço considerou necessário que as instituições bancárias africanas e da China desempenhem um papel importante.

O foco é tornar "real esta vontade política de ambos os lados, em proporcionar os recursos e desenvolver projectos que assegurem um desenvolvimento mutuamente vantajoso.

"A soma dos cidadãos dos países que integram o FOCAC ultrapassa já cerca de um terço da população mundial", alertou.

Na óptica do Chefe de Estado angolano, esse aspecto constitui razão suficiente para se elevar a novos patamares a cooperação existente.

No primeiro trimestre do ano em curso, as trocas comerciais entre os dois países cresceram  22,4 por cento, tendo atingido 6.80 biliões de dólares norte-americanos (USD).

Neste período, a China vendeu a Angola produtos avaliados em 481 milhões de USD e comprou mercadorias avaliadas em 6,32 biliões de dólares.

Em 2017, o comércio entre Angola e a China cresceu 43,42% para 22,34 biliões de dólares norte-americano (USD), com a China a comprar mercadorias a Angola no valor de 20. 047 USD e a ter vendido bens no valor de 2.297 milhões de USD.

Leia também
  • 05/02/2019 22:46:17

    Angola e Suécia querem ampliar oportunidades de negócios

    Estocolmo - Empresários, diplomatas e representantes de sectores oficiais de fomento comercial de Angola e da Suécia participam, quinta-feira, em um seminário de negócios denominado “Tempo para aumentar as actividades de negócios em Angola”, que terá lugar na capital sueca (Estocolmo), com objectivo de ampliar a oportunidades de negócios.

  • 05/02/2019 19:56:08

    PR italiano já em Luanda para visita de três dias

    Luanda - O Presidente da República Italiana, Sergio Mattarella, encontra-se desde as primeiras horas da noite de hoje (dia 05) em Luanda, a convite do homólogo angolano, João Lourenço, para, entre outros assuntos, analisar e aprofundar as relações bilaterais com Angola.

  • 05/02/2019 18:57:24

    Íntegra da declaração do Presidente da República

    Luanda - Íntegra da declaração pronunciado nesta terça-feira, em Luanda, pelo Presidente da República, João Lourenço, na abertura da conferência de imprensa conjunta, por ocasião da visita oficial e de trabalho do homólogo Félix Tshisekedi, da República Democrática do Congo.

  • 05/02/2019 17:02:49

    RDC considera legítima protecção da riqueza de Angola

    Luanda - O Presidente da República Democrática do Congo (RDC), Félix Tshisekedi, reconheceu, nesta terça-feira, em Luanda, legitimidade de Angola na protecção da sua riqueza, face à exploração de estrangeiros ilegais.