Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

12 Setembro de 2018 | 13h53 - Actualizado em 12 Setembro de 2018 | 18h04

Ghana: Vice-presidente da República em Acra para exéquias de Kofi Annan

Acra (Dos enviados especiais) - O Vice-presidente da República, Bornito de Sousa, chegou na manhã desta quarta-feira à capital do Ghana, Acra, para representar Angola nas exéquias do ex-secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, falecido a 18 de Agosto, na Suíça, aos 80 anos de idade.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bornito de Sousa, em representação do Chefe de Estado, João Lourenço, junta-se a vários estadistas e personalidades que chegam à Acra para render homenagem à Kofi Annan.

O corpo está em câmara ardente no centro de convenções de Acra, podendo ser velado pelo público.

O enterro está marcado para quinta-feira.

Kofi Annan foi, entre 1 de Janeiro de 1997 e 1 de Janeiro de 2007, o sétimo secretário-geral da Organização das Nações Unidas.

Foi laureado com o Nobel da Paz em 2001, pela criação do Fundo Global de Luta Contra a Sida, Fundo Global de Luta Contra Sida, tuberculose e malária para os países em desenvolvimento.

Em mensagem enviada ao actual secretário-geral da ONU, António Guterres, o  Presidente de Angola  lamentou a morte  de Kofi Annan, considerando "justo" destacar a "habilidade diplomática" e o "papel relevante" do diplomata ghanense,

Enaltece o papel marcado por processos que conduziram à paz em diferentes países, como em Angola, em Timor-Leste e nos Balcãs, bem como o empenho em reformar e renovar a ONU, com o objectivo de a tornar mais representativa dos povos dos diferentes continentes.

João Lourenço recordou que, sob o consulado de Kofi Annan, foi aprovada a Missão de Observação das Nações Unidas em Angola (MONUA), destacando também a visita feita então ao país com o objectivo de apaziguar as tensões existentes na altura entre as partes em conflito e assegurar um cessar-fogo duradouro.

Após deixar a ONU, foi enviado especial das Nações Unidas para a Síria, onde liderou os trabalhos para se encontrar uma solução pacífica para o conflito.

Leia também