Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

13 Setembro de 2018 | 20h53 - Actualizado em 13 Setembro de 2018 | 20h51

Presidente João Lourenço lamenta morte de Kofi Annan

Acra (Dos enviados especiais) - O Presidente da República, João Lourenço, endereçou uma mensagem de condolências ao seu homólogo do Ghana, Nana Addo Dankwa Akufo-Addo, por ocasião do falecimento do antigo secretário-geral da ONU, Kofi Annan.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

GHANA: Vice-presidente da República, Bornito de Sousa

Foto: Rosário dos Santos

O Vice-presidente da República, Bornito de Sousa, foi o portador da mensagem de condolências, entregue ao estadista ghanense à margem da cerimónia das exéquias de Kofi Annan, realizadas no Centro Internacional de Conferências de Acra (Ghana), sob a designação de "celebração do ícone global".

O antigo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) foi enterrado nesta quinta-feira, no Cemitério Militar de Acra.

À imprensa, Bornito de Sousa disse que tratou-se de uma homenagem à dimensão de Kofi Annan, tendo comparado a cerimónia, realizada nesta quinta-feira, na cidade de Acra, com a despedida do líder sul-africano, Nelson Mandela.

Notou que Kofi Annan era querido pelo seu povo e marcou a África, por ser o segundo africano a exercer o mais alto cargo da ONU.

Destacou o seu papel no processo de libertação de Timor Leste e de paz para Angola.

Disse sentir a unidade e a unanimidade em torno do papel e relevância da figura de Kofi Annan, falecido a 18 de Agosto último, na Suíça, aos 80 anos de idade.

O Chefe de Estado do Ghana, Nana Akuffo Addo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, assim como os Presidentes da Libéria, Zimbabwe, Cote D'Ivoire, Namíbia, Níger, entre outros estadistas africanos e europeus, participaram da homenagem.

Os antigos estadistas do Ghana, Jerry Rawling, e de Moçambique, Joaquim Chissano, transmitiram condolências a viúva, Nane Maria Annan, e familiares.

Kofi Annan foi, entre 1 de Janeiro de 1997 a 1 de Janeiro de 2007, o sétimo secretário-geral da ONU.

Bornito de Sousa permaneceu de quarta a quinta-feira em Acra, capital do Ghana, a representar o Chefe de Estado angolano, João Lourenço.

Kofi Annan Foi laureado com o Nobel da Paz em 2001, pela criação do Fundo Global de Luta Contra a Sida, Tuberculose e Malária que tem como finalidade ajudar países em desenvolvimento, nos seus esforços para cuidar do povo.

Após deixar a ONU, foi enviado especial das Nações Unidas para a Síria, onde liderou os trabalhos para se encontrar uma solução pacífica para o conflito.

Leia também
  • 06/02/2019 14:51:07

    PR quer mais investimento italiano

    Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, reafirmou nesta quarta-feira, em Luanda, a importância de Angola e a Itália diversificarem os investimentos e a cooperação bilateral, que se restringe aos sectores da saúde, agricultura, educação, transportes, petróleos e da defesa.

  • 06/02/2019 03:02:01

    Presidente italiano inicia programa de visita a Angola

    Luanda - O Presidente da Itália, Sergio Mattarella, inicia hoje, quarta-feira, o programa de visita a Angola com um encontro à porta fechada como o seu homólogo angolano, João Lourenço.

  • 05/02/2019 18:57:24

    Íntegra da declaração do Presidente da República

    Luanda - Íntegra da declaração pronunciado nesta terça-feira, em Luanda, pelo Presidente da República, João Lourenço, na abertura da conferência de imprensa conjunta, por ocasião da visita oficial e de trabalho do homólogo Félix Tshisekedi, da República Democrática do Congo.

  • 05/02/2019 17:02:49

    RDC considera legítima protecção da riqueza de Angola

    Luanda - O Presidente da República Democrática do Congo (RDC), Félix Tshisekedi, reconheceu, nesta terça-feira, em Luanda, legitimidade de Angola na protecção da sua riqueza, face à exploração desta por estrangeiros ilegais.