Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

09 Outubro de 2018 | 15h23 - Actualizado em 10 Outubro de 2018 | 15h27

Angola pede novo financiamento à China

Beijing (Dos enviados especiais) - O Governo Angolano formalizou nesta terça-feira, em Beijing, um novo pedido de financiamento às autoridades da China, que já se predispuseram a disponibilizar USD 2 mil milhões, para serem investidos em projectos estruturantes.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Pormenor do encontro oficial entre delegações de Angola e da China

Foto: Joaquina Bento

China: Presidente da República, João Lourenço

Foto: Joaquina Bento

A solicitação foi feita pelo Presidente da República, João Lourenço, no acto de abertura das conversações oficiais entre as delegações governamentais dos dois países, durante o qual pediu um voto de confiança às autoridades da segunda maior potência económica do mundo.

"Peço que nos concedam essa oportunidade, para melhor servir os projectos de Angola", expressou o Chefe de Estado, que considerou essencial o apoio financeiro da China para o crescimento do país, e prometeu usar bem os novos recursos a serem disponibilizados.

A China, considerada o maior financiador estrangeiro de infra-estruturas angolanas, disponibilizou a sua primeira linha de crédito a Angola em 2002.

Estima-se que a dívida acumulada de Angola para com aquele país tenha atingido, até ao ano de 2018, 23 mil milhões de dólares, segundo as autoridades angolanas.

As novas conversações, lideradas pelo Presidente angolano e pelo seu homólogo Xi Jinping, resultaram na assinatura de um Acordo de Facilitação de USD 2 mil milhões, assinado entre o Banco de Desenvolvimento da China e o Ministério das Finanças de Angola.

O Presidente angolano disse entender que, para o país ser bem sucedido, precisa de financiamentos.

"Para sermos bem-sucedidos, precisamos dos recursos financeiros, que prometemos usar bem, exclusivamente no interesse público, no interesse da economia e do desenvolvimento sócio-económico do país", declarou João Lourenço.

No seu discurso, que antecedeu à assinatura do acordo, o Chefe de Estado disse que o Executivo tem procurado apresentar projectos que possam contribuir para o crescimento económico do país e melhorar a sua capacidade de reembolsar os créditos que recebe.

Lembrou que discutiu essa matéria com o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, ao qual transmitiu a importância que Angola atribui ao investimento privado chinês.

Disse considerar que este será um importante factor dinamizador da economia e do desenvolvimento do país, por via da geração de recursos, aumentando a produção interna de bens e serviços de consumo e de exportação, que permitirão aos angolanos fortalecer a capacidade interna de geração de divisas.

"Tive a oportunidade de fazer exaustiva referência aos projectos que se enquadram no âmbito das nossas principais prioridades, e obtive do primeiro-ministro uma reacção encorajadora no que diz respeito à vossa disponibilidade para os financiar", referiu.

Noutro domínio, informou ao seu homólogo Xi Jinping, antes das negociações, que Angola vive uma nova era de maior abertura ao Mundo, de maiores direitos e liberdades para os seus cidadãos, maior transparência e concorrência nos negócios, menos burocracia e mais combate à corrupção.

Fez saber que o Executivo que lidera tem apenas um ano de mandato e um programa ambicioso de reformas e construção de infra-estruturas com investimento público, no caso das estradas, barragens, barragens hidroeléctricas, dos caminhos-de-ferro, portos e dos aeroportos.

Referiu-se também às eleições locais autárquicas e, por isso, disse precisar de investimentos em obras sociais, como o aumento da oferta de água potável, energia eléctrica, estabelecimentos hospitalares e de ensino de diferentes níveis e categorias.

Por sua vez, o Presidente da China saudou os esforços do Chefe de Estado angolano, tendentes a combater a corrupção, e disse acreditar que o país possa ter êxitos nessa sua nova etapa.

João Lourenço está em Beijing desde segunda-feira última, no cumprimento de uma visita de Estado de dois dias, que se iniciou esta manhã.

No quadro da visita, já manteve encontros com o Primeiro-ministro da China, Li Keqiang, e com o presidente do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional da República da China, Li Zhanshu.

Ainda nesta terça-feira, o Chefe de Estado depositou uma coroa de flores na Praça Celestial (Tianmen), e recebeu entidades empresariais chinesas.

Angola e a China estabelecem relações diplomáticas desde 1983.

Os dois Estados têm mantido uma intensa cooperação bilateral nas duas últimas duas décadas.

Leia também
  • 05/02/2019 19:56:08

    PR italiano já em Luanda para visita de três dias

    Luanda - O Presidente da República Italiana, Sergio Mattarella, encontra-se desde as primeiras horas da noite de hoje (dia 05) em Luanda, a convite do homólogo angolano, João Lourenço, para, entre outros assuntos, analisar e aprofundar as relações bilaterais com Angola.

  • 05/02/2019 19:46:38

    Minint considera falso "tráfico de órgãos" no Cunene

    Luanda - O Ministério do Interior (Minint) considerou falsas as informações divulgadas nas redes sociais sobre eventuais casos de tráfico de órgãos humanos na província do Cunene e reafirma que manterá a segurança dos cidadãos, bem como um combate cerrado a eventuais marginais.

  • 05/02/2019 18:57:24

    Íntegra da declaração do Presidente da República

    Luanda - Íntegra da declaração pronunciado nesta terça-feira, em Luanda, pelo Presidente da República, João Lourenço, na abertura da conferência de imprensa conjunta, por ocasião da visita oficial e de trabalho do homólogo Félix Tshisekedi, da República Democrática do Congo.

  • 05/02/2019 17:02:49

    RDC considera legítima protecção da riqueza de Angola

    Luanda - O Presidente da República Democrática do Congo (RDC), Félix Tshisekedi, reconheceu, nesta terça-feira, em Luanda, legitimidade de Angola na protecção da sua riqueza, face à exploração de estrangeiros ilegais.