Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

10 Outubro de 2018 | 00h16 - Actualizado em 10 Outubro de 2018 | 11h04

China: João Lourenço termina visita

Beijing (Dos enviados especiais) - O Presidente angolano, João Lourenço, termina, nesta quarta-feira, em Beijing, a sua visita de Estado à China, depois de ter mantido contactos de alto nível com as autoridades políticas e com os empresários chineses, que culminaram com a assinatura de vários acordos de cooperação.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

China: Presidente da República, João Lourenço, caminha ao lado do homólogo chinês Xi Jinping (arquivo)

Foto: JOAQUINA BENTO

Depois de ter sido recebido pelo primeiro-ministro, Li Keqiang, pelo presidente do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional da República da China, Li Zhanshu, e ter participado de conversações oficiais, juntamente com o seu homólogo, Xi Jinping, o Chefe de Estado desloca-se hoje ao centro de pesquisas da Huawei.

João Lourenço, que recebeu terça-feira algumas entidades empresariais chinesas, vai inteirar-se do funcionamento daquela empresa do mercado de telecomunicações.

Trata-se do terceiro maior fabricante mundial de smartphones, atrás da Samsung Electronics e da Apple Inc, que registou, em 2017, um aumento de 28 por cento no seu lucro, com suporte de cortes de custos e uma performance sólida no mercado de origem.

Baseada em Shenzhen, a Huawei viu o seu lucro subir para 47.5 biliões de yuans em 2017, uma elevação ante o aumento de 0,4 por cento em 2016. O crescimento deve-se parcialmente à queda de 85 por cento em custos de financiamento.

As suas receitas cresceram 15,7 por cento para 603.6 biliões de yuans, em linha com a indicação prévia da companhia, mas no menor aumento em quatro anos.

Essa multinacional chinesa de tecnologias anunciou, recentemente, a pretensão de instalar brevemente, em Angola, um centro de referência tecnológico para montagem de smartphones, computadores e outros equipamentos.

Além da visita à sede da Huawei, o Presidente angolano desloca-se a Tianjin, uma das mais importantes cidades da China e uma das quatro cidades-municípios do país.

Trata-se da quinta cidade mais rica da China, pelo Produto Interno Bruto, só superada por Shanghai, Beijing, Guangzhou, Shenzhen e da cidade administrativa de Hong Kong

O sector industrial manufactureiro é o mais importante (responsável por 54,8 por cento do PIB) e com a mais rápida expansão (18,2 por cento anuais) entre todos os sectores da economia de Tianjin.

As suas principais indústrias são relacionadas com produtos petroquímicos, têxteis, automobilísticos, metalúrgicos e farmacêuticos. Só em 2010, a cidade atraiu um total de USD 13,2 biliões em investimentos, tendo mais de 21 mil empresas estrangeiras instaladas e ou a investir na cidade, nos últimos anos.

Desde 2008, a cidade acumula investimentos estrangeiros superiores a USD 48 biliões.

Será nessa cidade onde João Lourenço termina a sua visita de dois dias, devendo regressar a Angola quinta-feira, com as bases fortes para o reforço da cooperação.

Leia também
  • 10/10/2018 00:16:08

    Síntese das principais notícias das últimas 24 horas

    Luanda - A Agência Angola Press incluiu na sua emissão das últimas 24 horas, entre outros, os seguintes assuntos:

  • 09/10/2018 19:37:03

    China alarga financiamento para Angola

    Beijing (Dos enviados especiais) - A República de Angola e a República Popular da China rubricaram, nesta terça-feira, em Beijing, um acordo de facilitação que prevê um financiamento do Banco de Desenvolvimento Chinês, avaliado em USD 2 mil milhões.

  • 09/10/2018 15:23:18

    Angola pede novo financiamento à China

    Beijing (Dos enviados especiais) - O Governo Angolano formalizou nesta terça-feira, em Beijing, um novo pedido de financiamento às autoridades da China, que já se predispuseram a disponibilizar USD 2 mil milhões, para serem investidos em projectos estruturantes.