Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

10 Outubro de 2018 | 18h11 - Actualizado em 10 Outubro de 2018 | 19h52

Diplomata ressalta disponibilidade para cooperação no domínio autárquico

Luanda - A República da Namíbia está disponível para passar à Angola a sua experiência de 28 anos de implementação de autarquias para que o país realize com êxito o processo previsto para 2020, informou esta quarta-feira, em Luanda, a embaixadora daquele país em Angola, Claúdia Grace Uushona.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos recebe Embaixadora da Namíbia, Claúdia Grace Uushona.

Foto: F. Miúdo

Embaixadora da Namíbia, Claúdia Grace Uushona.

Foto: Francisco Miúdo

Para o efeito, a diplomata sublinhou que o processo de troca de experiências está facilitado por ter sido firmado, entre os dois governos, um memorando de entendimento para consultas regulares nas áreas da administração do território.   

A embaixadora namibiana falou à imprensa após se despedir do presidente da Assembleia Nacional de Angola, Fernando da Piedade Dias dos Santos, depois de oito anos de trabalho no país.

Com mais de dois milhões de habitantes, a Namíbia implementa autarquias desde a sua independência (21 de Março de 1990).

É seu entendimento que a implementação das autarquias em Angola vai facilitar a cooperação entre as duas regiões limítrofes de ambos os países, que há muito tencionam rubricar acordos para o reforço dos laços culturais, tradicionais, económicos e cultural.

A diplomata que cumpriu um mandato de oito anos em Angola, destacou o ambiente de paz e calmia que se regista na zona fronteiriça, considerando uma das fronteiras mais calma do continente africano.

Tudo isso só acontece, assinalou, mercê das relações “históricas e excelentes” entre os dois países, que têm 50 memorandos e acordos firmados nas áreas da saúde, agricultura, pescas, energia e águas, além da implementação de comissões de cooperação e de defesa e segurança.

Em face disso e por inexistir “irregularidades” na zona fronteiriça comum de mais de 460 quilómetros terrestre e fluvial, a embaixadora da Namíbia reiterou a necessidade de se abrir a zona limítrofe 24 horas por dia, para que as famílias aumentem o rítimo económico e relações entre os dois povos.

Realçou ainda o trabalho comum desenvolvido entre os dois governos na luta para erradicação da malária na zona transfronteiriça.

Angola e a Namíbia desenvolvem, há 28 anos, relações de amizade e cooperação baseadas essencialmente em aspectos históricos e contemporâneos que unem ambos os povos, iniciadas, formalmente, a 18 de Setembro de 1990, assinadas na cidade angolana do Lubango.

Leia também
  • 07/02/2019 03:29:34

    34ª Sessão Ordinária do Conselho Executivo da UA inicia hoje

    Adis Abeba (Dos Enviados Especiais) - A 34ª Sessão Ordinária do Conselho Executivo da União Africana (UA) começa nesta quinta-feira, em Adis Abeba, Etiópia, com o tema sobre os refugiados no centro do debate.

  • 06/02/2019 18:09:14

    Parlamento debate Conta Geral do Estado

    Luanda - A Assembleia Nacional reúne-se no dia 20 de Fevereiro, em plenária ordinária, para discutir e votar a Conta Geral do Estado referente ao Exercício Fiscal de 2016.

  • 05/02/2019 20:51:37

    Norberto Garcia é interrogado na quarta-feira

    Luanda - O réu Norberto Garcia, antigo director da Unidade Técnica para Investimento Privado (UTIP), vai ser interrogado esta quarta-feira durante a 9ª sessão de julgamento da Burla Tailandesa que decorre na 1ª Câmara Criminal do Tribunal Supremo.

  • 05/02/2019 05:43:18

    Pinda Simão enaltece sacrifício dos nacionalistas

    Uíge - O governador provincial do Uíge, Pinda Simão, enalteceu o empenho dos heróis de 04 de Fevereiro, que deram à sua vida e consentiram sacrifícios para o alcance da independência nacional.