Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

04 Janeiro de 2019 | 20h34 - Actualizado em 04 Janeiro de 2019 | 20h34

Detido sócio-gerente da empresa AFAC por crime de corrupção

Huambo - Na busca da verdade material dos 51 processos-crime de peculato, denominados "restos a pagar", a Procuradoria Geral da República (PGR) no Huambo ordenou hoje, sexta-feira, a prisão preventiva do sócio-gerente da empresa de presentação de serviço "AFAC", Augusto Caconde Cotingo, por notar fortes indícios de crime de corrupção.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Trata-se do primeiro empresário a ser detido, depois de ouvido pelo Ministério Público, no âmbito do mediático processo-crime, que envolve, além de gestores de empresas privadas, funcionários do Governo do Huambo, que tinham como substrato a má execução do Orçamento Geral do Estado.

Segundo fonte da PGR, esta medida de coação pessoal, considerada a mais gravosa de todas, resultou do facto de o mesmo estar a gerir um empresa fictícia, que terá, entre 2010 a 2014, beneficiado do erário, em conluio com alguns gestores públicos, acusados de desvios do OGE.

O encaminhamento do empresário António Caconde Cotingo à Cadeia do Cambiote, sucede às prisões dos administradores dos municípios do Huambo e do Longonjo, Victor Tchissingui e João Sérgio Raul, respectivamente, por crime de peculato.

Os crimes em que os mesmos vêm acusados foram cometidos quando exerciam os cargos de director do Gabinete de Estudos e Projectos, Victor Tchingui, e de secretário-geral do Governo local, João Sérgio Raul, entre 2011 a 2014.

Além destes dois, a PGR deteve também o chefe do departamento de administração, património, informática, gestão do orçamento e transportes do Governo, Constantino de Jesus César, assim como o chefe de secção de Execução Orçamental e Contabilidade do Governo do Huambo, Claudino Sicato Fernandes Isaías.

Os 51 processos-crime de peculato, de acordo com a mesma fonte, se encontram em fase de instrução preparatória e envolvem avultadas somas monetárias desviadas dos cofres do estado, razão pela qual espera-se ainda outras buscas e detenções de empresários e funcionários públicos envolvidos.

Assuntos Crime   Província » Huambo  

Leia também