Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

14 Janeiro de 2019 | 20h18 - Actualizado em 15 Janeiro de 2019 | 08h32

Angola e EAU rubricam acordos nos domínios da energia e águas

Abu Dhabi (Dos enviados especiais) - Autoridades de Angola e dos Emirados Árabes Unidos (EAU) rubricaram, nesta segunda-feira, três acordos nos domínios da produção, transporte e distribuição de energia e do abastecimento de água potável.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Central térmica de produção de energia (arquivo)

Foto: ANGOP

Os memorandos de entendimento foram assinados pelo ministro angolano da Energia e Águas, João Baptista Borges, e pelo sheikh Ahmed Dalmook Al Maktoum, à margem da semana da Sustentabilidade de Abu Dhabi (ADSW), que conta a participação do Presidente da República, João Lourenço.

O ministro disse que o acordo visa a construção de uma central de produção de energia, no Moxico, e de um sistema eléctrico para interligar a região Leste do país.

Adianta que o acordo contempla ainda a construção, entre a Barra do Cuanza (Luanda) e Porto Amboim (Cuanza Sul), de um sistema de dessalinização para garantir o fornecimento de água potável à região, mediante técnicas menos onerosas.

Afirmou que o projecto eléctrico visa garantir energia para alavancar a produção mineira e desenvolvimento económico das províncias do Moxico e das lundas Norte e Sul, bem como  facilitar o acesso da população à electricidade.

João Baptista Borges referiu que o sistema deverá ter uma capacidade inicial para produzir entre 350 a 400 megawatts, o mínimo necessário para atender  a indústria mineira e reduzir custos onerosos com os combustíveis.

De igual modo, sublinhou a possibilidade de se investir em energia renováveis, caso os estudos em curso o recomendem.

O ministro disse que Angola, na qualidade de  membro de pleito direito da Agência Internacional de Energias Renováveis, quer nos próximos cinco anos construir pelo menos 600 megawatts de parques solares, com o envolvimento de investimento estrangeiro.

O sheikh Ahmed Dalmook Al Maktoum garante o investimento 200 a 300 milhões de dólares no domínio da energia.

Declarou que, à semelhança do acordo no domínio da agricultura, rubricado em Luanda no mês passado, os entendimento desta segunda-feira visam contribuir para desenvolvimento da pátria angolana.

O soberano aposta em investimentos em soluções híbridas, que incluam  diesel, gás e solar em zonas mineiras, por considerar menos dispendioso.  

O sheikh espera que Angola possa contar com experiência de cerca de 40 anos do Emirado na dessalinização, cujos estudos de viabilidade poderão estar concluídos ainda este ano.

Assuntos Acordo   Diplomacia  

Leia também
  • 25/01/2019 11:06:01

    Ministro das Relações exteriores já no país

    Luanda - O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, regressou na madrugada de hoje (dia 25) ao país, depois de ter participado (quinta-feira), em Kinshasa, na investidura de Félix Tshisekedi como novo presidente da República Democrática do Congo (RDC), apurou a Angop no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro.

  • 22/01/2019 21:50:25

    Angola pode aproveitar experiência cubana no sector do turismo

    Luanda - A República de Cuba pode contribuir na diversificação da economia em Angola, em vários domínios, com destaque para o turismo e serviços de saúde, afirmou hoje, terça-feira, o secretário de estado das relações exteriores, Tete António.

  • 18/01/2019 22:50:33

    Íntegra do discurso do PR ao Corpo Diplomático

    Íntegra do discurso de Sua Excelência João Lourenço, Presidente da República de Angola, na cerimónia de cumprimentos de Ano Novo ao Corpo Diplomático. Luanda, 18 de Janeiro de 2019

  • 18/01/2019 21:36:01

    Corpo diplomático elogia posições angolanas para paz mundial

    Luanda - O corpo diplomático acreditado em Angola apoiou nesta sexta-feira, em Luanda, as autoridades angolanas pelas posições em prol da paz mundial e da democracia, bem como na condenação do racismo, xenofobia e outro tipo de discriminação.