Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

24 Janeiro de 2019 | 18h18 - Actualizado em 24 Janeiro de 2019 | 18h27

Angola elimina dupla tributação com Portugal e China

Luanda - O Parlamento angolano aprovou, por unanimidade, os projectos de resolução de acordos para a eliminação da dupla tributação e prevenção da evasão fiscal de impostos sobre rendimentos com Portugal, China e Emirados Árabes Unidos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Deputados votam durante uma sessão do Parlamento (arquivo)

Foto: ANGOP

Os instrumentos legais estabelecem um regime jurídico mundial de prevenção e eliminação da dupla tributação internacional em razão do mesmo rendimento, cujos efeitos são nefastos às trocas comerciais de bens e serviços ao movimento de capitais e pessoas.

O secretário de Estado da Cooperação, Domingos Vieira Lopes, informou que os acordos vão permitir o aumento do investimento directo no país, transferências de conhecimentos e competências, construção de infra-estruturas e aumento de empregos.

Os acordos, para além de respeitar as normas internacionais, os Estados signatários vão desenvolver melhor as questões de carácter económico, financeiro e empresarial, adiantou a fonte.

Durante a reunião plenária ordinária desta quinta-feira, os deputados aprovaram também, por unanimidade, o projecto de resolução do 4º Aditamento à Convenção Relativa a Cobertura de Riscos de Crédito à Exportação de Bens e Serviços de Origem Portuguesa para Angola, com vista a simplificar as negociações de futuros financiamentos.

O secretário de Estado da Cooperação, Domingos Vieira Lopes, informou que o aditamento à convenção prevê soluções bastante vantajosas para ambas partes e vai permitir o aprofundamento das trocas comerciais e a melhoria das relações económica entre os dois países.

O aditamento propõe alterar a extensão do limite máximo para a cobertura dos créditos, actualmente fixado em 1000 milhões de Euros, que passará a ser de 3000 milhões de Euros.

A cobertura passa a incluir não só os financiamentos bancários, mas as garantias de créditos ou seguros a financiamentos concedidos por outras instituições financeiras à República de Angola, bem como dos prazos dos créditos para dez anos, contrariamente aos sete anos em vigor.

O Estado angolano assinou com a República Portuguesa, em Novembro de 2004, uma Convenção relativa à Cobertura de Riscos de Créditos à Exportação de Bens de Origem Portuguesa para Angola.

O tratado foi objecto de três aditamentos, em 2006, 2008 e em 2009.

Nos termos da Convenção Portugal compromete-se a cobrir os riscos dos créditos concedidos para a exportação de bens e serviços com origem em Portugal e destinados a República de Angola, através da Companhia de Seguros de Créditos (COSEC).

Assuntos Angola   Parlamento  

Leia também
  • 06/02/2019 03:02:01

    Presidente italiano inicia programa de visita a Angola

    Luanda - O Presidente da Itália, Sergio Mattarella, inicia hoje, quarta-feira, o programa de visita a Angola com um encontro à porta fechada como o seu homólogo angolano, João Lourenço.

  • 06/02/2019 00:00:51

    Síntese das principais notícias das últimas 24 horas

    Luanda - Agência Angola Press, Angop E.P, incluiu na sua emissão das últimas 24 horas, entre outros, os seguintes assuntos:

  • 05/02/2019 19:46:38

    Minint considera falso "tráfico de órgãos" no Cunene

    Luanda - O Ministério do Interior (Minint) considerou falsas as informações divulgadas nas redes sociais sobre eventuais casos de tráfico de órgãos humanos na província do Cunene e reafirma que manterá a segurança dos cidadãos, bem como um combate cerrado a eventuais marginais.

  • 05/02/2019 18:57:24

    Íntegra da declaração do Presidente da República

    Luanda - Íntegra da declaração pronunciado nesta terça-feira, em Luanda, pelo Presidente da República, João Lourenço, na abertura da conferência de imprensa conjunta, por ocasião da visita oficial e de trabalho do homólogo Félix Tshisekedi, da República Democrática do Congo.