Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

23 Janeiro de 2019 | 19h54 - Actualizado em 23 Janeiro de 2019 | 20h39

Burocracia dita transportação do cheque de USD 50 mil milhões em mão

Luanda - A co-ré do designado processo "Burla Tailandesa" Monthita Pribwai referiu, esta quarta-feira, que ela e o co-réu Raveeroj Ritchoteanan decidiram transportar o cheque de USD 50 mil milhões em mão devido a questões burocráticas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A também vice-presidente da Centennial Energy Company, Limited, argumentou na audiência de julgamento que a empresa não efectuou uma transferência interbancária do avultado valor para Angola, por ser um processo muito burocrático.

A deslocação ao país com o cheque, na versão dos réus, seria uma forma de mostrar a capacidade de investimento desta entidade.

Monthita, de 29 anos de idade, é esposa de Raveeroj Ritchoteanan, apontado como o principal mentor do processo. Acrescentou que optaram por trazer o cheque em mão por questões de celeridade e segurança.

Ao voltar a ser ouvido na audiência de julgamento de hoje, o réu Raveeroj Ritchoteanan reforçou que os valores só seriam transferidos caso fosse acordado um Memorando entre a Centennial Energy Comany, Limited, o Fundo de Apoio Social (FAS), a Unidade Técnica de Investimento Privado (UTIP), um ministro ou o Chefe de Estado.

A partir daí, esclareceu o réu e presidente da Centennial Energy Comany, Limited, a transferência dos USD 50 mil milhões, domiciliados num dos bancos nos Estados Unidos, seria autorizada pela Reserva Federal Americana.

No decorrer desta sessão, o Ministério Público (MP), autor da acusação, questionou o facto de a empresa dos réus possuir carimbos do Banco Central tailandês no quarto de uma unidade hoteleira da capital, onde tinham sido detidos, tendo Raveeroj Ritchoteanan pedido para verificar o material apreendido..

Em função da falta de provas no tribunal, o MP pediu que estas fossem presentes na próxima audição, um pedido aceite pelos juízes.

O julgamento do caso “Burla Tailandesa” está a cargo dos juízes Domingos Mesquita, Daniel Modesto e Aurélio Simba e nele constam ainda 38 declarantes.

Entre os arguidos está o ex-director da extinta Unidade Técnica para Investimento Privado (UTIP), Norberto Garcia, outros três angolanos, quatro tailandeses, um canadiano e um eritreu.

Todos são acusados pelo Ministério Público de terem praticado crimes de falsificação de documentos, burla por defraudação, associação de malfeitores e branqueamento de capitais.

O esquema foi revelado em 2017, quando supostos investidores tailandeses, com alegadas cumplicidades de cidadãos nacionais, tentaram "burlar" o Estado angolano.

Assuntos Julgamento  

Leia também
  • 01/02/2019 17:32:46

    Empresária Celeste de Brito mentiu em Tribunal - Fonte próxima do processo

    Luanda - A empresária Celeste de Brito, um dos nomes de relevo do mediático processo "Mega Burla Tailandesa", terá mentido aos juízes no dia em que começou a ser ouvida no Tribunal Supremo, quando afirmou ter mantido dois encontros com o Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa.

  • 31/01/2019 18:42:37

    Celeste de Brito rejeita suposto suborno a Norbeto Garcia

    Luanda - A ré Celeste de Brito, arrolada no caso "Burla Tailandesa", rejeitou acusações de ter subornado o co-réu Norbeto Garcia, ex-director da Unidade Técnica de Investimento Privado (UTIP), para auxiliar à entrada ao país de supostos investidores tailandeses.

  • 24/01/2019 20:32:42

    Contradições marcam 5º dia do caso "Burla Tailandesa"

    Luanda - O réu Manin Wanitchanon, em audiência no 5º dia de julgamento da "Burla Tailandesa", disse que o cheque de USD 50 mil milhões pertence ao ex- presidente filipino, Ferdinand Marcos, contrariando as declarações do co-réu Raveeroj Ritchoteanan, que assume a titularidade dos valores.