Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

08 Fevereiro de 2019 | 13h20 - Actualizado em 08 Fevereiro de 2019 | 13h20

Exercício do controlo político é uma necessidade absoluta para o país - Deputado

Huambo - O exercício do controlo político, por parte dos cidadãos e da juventude de forma particular, constitui uma necessidade absoluta para os desafios de desenvolvimento do país, considerou hoje, sexta-feira, na província do Huambo, o presidente da bancada parlamentar da UNITA, Adalberto da Costa Júnior.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Adalberto da Costa Júnior, Presidente da Bancada parlamentar da UNITA

Foto: Rosario dos Santos

Ao expor o tema “pensar Angola”, durante um debate promovido pela organização juvenil Jango Cultural, assumiu haver, no país, fraca cultura de controlo político, factor fundamental para a consolidação da democracia, da promoção do desenvolvimento e progresso nacional.

“Se quisermos pensar o futuro para o país é necessário que os angolanos sejam mobilizados para os desafios actuais, no acompanhamento dos processos de mudanças, e impor maior responsabilidade aos decisores para que pautem as suas acções dentro dos desígnios desejados”, recomendou.

Segundo o parlamentar da UNITA, é imperioso que haja um seguimento progressivo da acção de governação do país, no sentido de que os cidadãos possam corrigir os actos negativos e contribuir na concretização dos projectos que concorrem para a melhoria do bem-estar da maioria.

Para que tal cultura se afirme no país, recomendou os cidadãos a fazer acompanhamento da acção governativa, salientando que os indicadores das acções das instituições públicas que deveriam produzir resultados para a promoção do desenvolvimento nacional não, muitas vezes, rigorosamente adequados à realidade nacional.

“É por isso que o país ainda apresenta muitos problemas e com desafios muito difíceis para se vencer. Temos que realizar um fórum amplo de identificação de que Angola se tem hoje e de que metas devem ser fundamentalmente seguidas pela governação”, informou.

Adalberto da Costa Júnior disse, também, que o país precisa de reformas e de transformações de paradigmas de mais de 50 anos e de se despir dos altos modos partidários, para continuar a caminhar e prosperar rumo aos objectivos desejados, que têm a ver, essencialmente, com a satisfação das necessidades dos cidadãos e a melhoria das condições de vida.

Sobre a iniciativa do Jango Cultura, a qual felicitou, o presidente da bancada parlamentar da UNITA considerou ser a prova do valor da intelectualidade da juventude da província do Huambo, que se tem mostrado preocupada com os desafios do país, como um cidadão que questiona, informado e formado.

O projecto Jango Cultural, de caracter social e sem fins lucrativos, é uma iniciativa de jovens que têm como objectivo a abordagem de temas de impacto na vida sociopolítica do país.

Leia também
  • 08/02/2019 09:31:25

    Autarquias privilegiam desenvolvimento equilibrado do país

    Huambo - A realização simultânea das eleições autárquicas em todos os municípios do país, tal como defendido pelos partidos da oposição, constitui, por si só, o factor complementar para os grandes desafios do Governo central, no tocante ao combate às assimetrias regionais.

  • 08/02/2019 05:42:24

    Lunda Norte: Deputado da Unita apela maior apoio ao sector social

    Dundo - O deputado a Assembleia Nacional da Unita, pelo circulo provincial da Unita à Lunda Norte, Domingos Oliveira, defendeu, quinta-feira, o aumento de verbas para o sector social, para o desenvolvimento do país.

  • 07/02/2019 20:04:52

    Secretário da CASA-CE demissionário exige indemnização

    Luena - O secretário provincial do Moxico da Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), Jeremias Afonso, renunciou esta quinta-feira ao cargo e exige indemnização pelos seis anos ao serviço da organização.