Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

21 Fevereiro de 2019 | 21h35 - Actualizado em 21 Fevereiro de 2019 | 21h35

Angola destaca coordenação dos direitos humanos

Luanda - A representante permanente de Angola em Genebra, Margarida Izata, afirmou nesta quinta-feira que a coordenação regional do Grupo Africano, por Angola, reveste uma importância particular, por acontecer num ano em que coube a África assumir a Presidência do Conselho dos Direitos Humanos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Segundo Margarida Izata, essa posição está em consonância com os objectivos da “Estratégia do Executivo para os Direitos Humanos 2018-2022”, recentemente aprovada.

Desde o inicio deste ano, Angola assume a coordenação das questões de direitos humanos dos países do Grupo Africano representados no Conselho dos Direitos Humanos em Genebra, Suíça.

Trata-se do primeiro cargo relevante que o país assume junto da Organização das Nações Unidas desde o início do mandato do novo Governo, liderado pelo Presidente João Lourenço.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 21/02/2019 00:10:34

    Síntese das principais notícias das últimas 24 horas

    Luanda - Agência Angola Press, Angop E.P, incluiu na sua emissão das últimas 24 horas, entre outros, os seguintes assuntos:

  • 20/02/2019 22:27:42

    Agência portuguesa de notícias desmente Clube K

    Luanda - A Procuradoria-Geral a da República (PGR) e a agência portuguesa de notícias (Lusa) demarcaram-se das informações atribuídas ao ex-governante Higino Carneiro, nas quais, alegadamente, envolvia o MPLA em actos de corrupção nas últimas eleições gerais.

  • 20/02/2019 19:49:11

    Cheque tailandês de USD 50 mil milhões é falso

    Luanda - O Departamento de Negócios Estrangeiros da República das Filipinas e o Banco Central Filipino já notificaram as autoridades angolanas sobre a falsidade do cheque de USD 50 mil milhões, peça "chave" no julgamento do caso "Burla Tailandesa".