Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

19 Fevereiro de 2019 | 20h36 - Actualizado em 19 Fevereiro de 2019 | 20h36

Suninvest nega ligação à FESA

Luanda - O Grupo Suninvest, SA, que celebrou um contrato com o Ministério da Saúde para a gestão da Angomédica, negou, nesta terça-feira, qualquer ligação jurídico-legal com a Fundação Eduardo dos Santos (FESA).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar


Numa nota de esclarecimento publicada hoje, o Grupo Suninvest, SA refere que em relação à privatização da Angomédica, o processo começou em 2016 e, desde então,  cumpriu “integralmente os requisitos estabelecidos por lei”.
 
Informou que o mesmo processo ainda tramita junto das entidades competentes. 
 
Em 2004, o MINSA assinou com a Suninvest um contrato de gestão e reabilitação da Angomédica, com vista a relançar e dinamizar a produção nacional de medicamentos.
 
No último sábado, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, afirmou que o Ministério de tutela vai despoletar os mecanismos legais para que a Angomédica (fábrica de medicamentos) volte a constituir património do Estado.
 
Denunciou que o processo de privatização da empresa, a favor da Suninvest, que disse ser subsidiária da FESA, foi pouco claro.
 
A Angomédica, onde funciona actualmente a Central de Compras de Medicamentos e Meios Técnicos (CECOMA), afecta ao Ministério da Saúde, foi privatizada a favor da Fundação Eduardo dos Santos (FESA).
 
Segundo a ministra da Saúde, a Central de Compras de Medicamentos e Meios Técnicos paga, mensalmente, uma renda de AKZ 3 milhões e 500 mil à Suninvest.
 

Assuntos Angola   Política  

Leia também
  • 19/02/2019 20:06:00

    Tribunal suspende "Burla Tailandesa" por seis dias

    Luanda - A sessão de julgamento desta terça-feira do caso ?Burla Tailandesa? foi suspensa, por seis dias, pelo júri da causa, por falta de um ?intérprete idóneo? da língua tailandesa (Phasa Thai), para traduzir a audição do último réu, Theera Buapeng.

  • 19/02/2019 19:25:17

    SME reconhece excesso contra deputado Rabelais

    Luanda - O Serviço de Migração e Estrangeiros (SME) reconheceu nesta terça-feira ter agido com excesso de zelo, quando impediu o deputado Manuel Rabelais de sair do país, a 24 de Janeiro transacto.

  • 19/02/2019 18:58:02

    Angola e Etiópia tencionam alargar cooperação

    Luanda - A possibilidade do alargamento da cooperação entre Angola e a Etiópia foi analisada nesta terça-feira, em Addis-Abeba (Etiópia) entre o novo embaixador angolano naquele país, Francisco José da Cruz, e a secretária de Estado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Hirut Zemene.