Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

06 Dezembro de 2019 | 16h22 - Actualizado em 06 Dezembro de 2019 | 16h40

Angola e Sérvia pretendem relançar cooperação parlamentar

Luanda - As repúblicas de Angola e da Sérvia pretendem relançar a cooperação bilateral no domínio parlamentar, soube-se hoje (sexta-feira), em Luanda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Dragan Markovic - Embaixador da Sérvia em Angola (arquivo)

Foto: Pedro Parente

A informação foi avançada pelo embaixador daquele país europeu em Angola, Dragan Marcovic, à saída de um encontro com a presidente da Comissão de Relações Exteriores, Cooperação Internacional e Comunidades Angolanas no Estrangeiro do Parlamento, Josefina Pitra Diakité.

Em declarações à imprensa, o diplomata sérvio revelou ter entregue à Josefina Diakité um convite para o presidente da Assembleia Nacional (AN), Fernando da Piedade Dias dos Santos, efectuar uma visita de trabalho à República da Sérvia, em Fevereiro do próximo ano.

Dragan Marcovic considerou que Angola e Sérvia são países amigos, daí a pretensão de reforçarem a cooperação bilateral, em particular, no domínio parlamentar.

“A Sérvia sempre ajudou Angola na luta pela sua independência e pós-independência. Esperamos que a visita do presidente do Parlamento angolano à Servia possa impulsionar, cada vez mais, as relações entre os dois países”, expressou.

Por seu turno, a deputada Josefina Diakité espera que a visita do presidente da Assembleia Nacional à Sérvia venha colocar um pilar sólido no relançamento das relações bilaterais no domínio parlamentar.

Desde a desintegração da Jugoslávia, a Sérvia tornou-se a nação mais industrializada da região balcânica. A sua capital, Belgrado, abriga indústrias dos segmentos petrolíferos, metalúrgico, têxtil e alimentício, entre outros.

Comissão bilateral Angola e Zimbabwe

A presidente da 3ª comissão da Assembleia Nacional reuniu igualmente com o embaixador do Zimbabwe em Angola, Thando Madazvamuse, com quem abordou, entre outros assuntos, a reactivação da Comissão Mista bilateral.

Disse, também, ter falado com o diplomata do Zimbabwe sobre as perspectivas de crescimento das relações entre os parlamentos dos dois países.

A par disso, abordaram a declaração definida na 39ª Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), em Dar-es-Salam (Tanzânia), que decretou o 25 de Outubro como o Dia de Luta contra a Extinção das Sanções Económicas contra o Zimbabwe impostas pelos EUA e União Europeia.

O embaixador Thando Madazvamuse referiu que as sanções, “que já não se justificam”, não afectam apenas o seu país mas também outros Estados que fazem fronteira com o Zimbabwe.

Manifestou, entretanto, a vontade do seu país elevar a cooperação económica com Angola ao mesmo nível das relações políticas, que considera excelentes.

Disse que o Zimbabwe quer transmitir a sua experiência aos angolanos nos domínios agrícola, mineiro e turístico.

Assuntos Angola   Cooperação   Parlamento   Zimbabwe  

Leia também
  • 06/12/2019 15:56:33

    PR aborda cooperação com os EUA

    Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, recebeu hoje (sexta-feira), em Luanda, a embaixadora dos Estados Unidos em Angola, Nina Fite, com quem abordou questões relacionadas com a cooperação entre os dois países.

  • 06/12/2019 00:00:49

    Síntese das principais notícias

    Luanda - A Agência Angola Press, Angop E.P, incluiu na sua emissão das últimas 24 horas, entre outros, os seguintes assuntos:

  • 05/12/2019 20:05:05

    Economista reconhece melhoria no ambiente económico

    Luanda - O economista Alves da Rocha considerou esta quinta-feira, em Luanda, que o ambiente económico que o país vive é melhor, comparativamente com o da década de 80, em que várias empresas faliram, por falta de capacidade técnica e de gestão empresarial.