Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

13 Junho de 2019 | 16h22 - Actualizado em 14 Junho de 2019 | 09h06

Parlamento quer união da sociedade para bem-estar da criança

Luanda - A segunda vice-presidente da Assembleia Nacional, Suzana de Melo, considerou, esta quinta-feira, imperiosa a união da sociedade na implementação das políticas definidas pelo governo para o bem-estar da criança.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Segunda vice-presidente da Assembleia Nacional, Suzana de Melo

Foto: Clemente dos Santos

Pormenor do Workshop "A Vulnerabilidade Infantil em Angola"

Foto: Clemente dos Santos

Suzana de Melo disse que o país tem um quadro legal e político enriquecido, o desafio é proporcionar o acesso equitativo aos serviços essenciais e de qualidade aos cidadãos, em especial às crianças.

A deputada, que falava na abertura do Workshop sobre a “Vulnerabilidade Infantil em Angola”, indicou que 38 por cento das crianças menores de cinco anos, no país, sofre de desnutrição crónica e uma em cada cinco crianças encontra-se fora do sistema de ensino.

“Temos, ainda, muito por fazer, o governo, as famílias e a sociedade civil, para que todas as crianças tenham o direito de sobreviver, prosperar e atingir o seu potencial”, observou.

Notou que, a acção do Parlamento, enquanto órgão de soberania do Estado pauta-se pelo diálogo com os cidadãos e a realização do presente seminário corporiza a filosofia da “casa das leis”.

Defendeu que a Assembleia Nacional tem aprovado verbas, no Orçamento Geral do Estado (OGE), para, através dos programas definidos pelo Executivo, que se efectivem as prioridades para a satisfação dos direitos das crianças.

Fez saber, por outro lado, que a crise económica instalada no país, desde o final de 2014, tem aumentado a vulnerabilidade da população mais pobre e, em consequência, veio atrasar a transição de Angola para um país de renda média.

Violência contra a criança

O Instituto Nacional da Criança (INAC) registou, no primeiro semestre do ano em curso, mais de dois mil casos de violência contra a criança, informou o director da instituição, Paulo Calesi.

Segundo o responsável, é na família onde se registam índices elevados de violência contra a criança.

“Os números preocupam. Tivemos, no ano passado, mais de quatro mil casos de crianças vítimas de violência e, no primeiro semestre deste ano, já estamos na metade deste número”, observou.

Um estudo efectuado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2016, revela que, em cada 100 crianças dos zero aos 17 anos 75 têm, pelo menos, três privações (educação, saúde e habitação).

“São privações que dificultam o crescimento deste grupo etário”, disse o director do INE, Camilo Ceita, para quem os números demonstram que a situação da criança em Angola é preocupante.

Assuntos Angola   Parlamento  

Leia também
  • 14/06/2019 00:09:41

    Síntese das principais notícias das últimas 24 horas

    Luanda - A Agência Angola Press incluiu na sua emissão das últimas 24 horas, entre outros, os seguintes assuntos:

  • 13/06/2019 19:57:01

    Ré Isabel Bragança fala das receitas do CNC

    Luanda - A antiga directora-adjunta para a Administração e Finanças do Conselho Nacional de Carregadores (CNC), Isabel Bragança, afirmou nesta quinta-feira, em tribunal, que a responsabilidade de depositar as receitas deste instituto público cabia aos ministérios dos Transportes e das Finanças.

  • 13/06/2019 19:44:38

    União Africana encoraja boa governação

    Luanda - A comissária da União Africana (UA), Minata Cessouma, encorajou, nesta quinta-feira, as autoridades angolanas a prosseguirem com o combate à corrupção e com as práticas sobre a boa governação, tendo em vista a melhoria nestes itens de desenvolvimento.

  • 13/06/2019 17:55:10

    Comissário da PN vai a Tribunal

    Luanda - O Supremo Tribunal Militar inicia terça-feira (18), em Luanda, o julgamento do processo nº 15/STM/2018, em que figura, como réu, o comissário da Polícia Nacional (PN), Francisco Massota.