Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

19 Agosto de 2019 | 11h29 - Actualizado em 19 Agosto de 2019 | 15h55

Delegação ministerial avalia situação no Lóvua

Dundo - Uma delegação ministerial, integrada pelos ministros da Defesa, Salviano de Jesus Sequeira, e da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Fernandes Alves, chegou nesta segunda-feira à província da Lunda Norte, para inteirar-se da situação dos refugiados da República Democrática Congo, assentados no campo do Lóvua.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Faustina Inglês, Ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (arquivo)

Foto: angop

A visita dos governantes surge um dia depois de pelo menos oito mil, dos 22 mil e 684 refugiados, decidirem, unilateralmente, abandonar o campo em que se encontravam alojados.

Os mesmos rumam a pé em direcção ao centro político e administrativo da província (cidade do Dundo), para atigir a fronteira com a República Democrática do Congo, num percurso entre 80 a 90 quilómetros.

Esta situação foi motivada depois da visita do governador da província do Kassai Central (República Democrática do Congo), Martin Mulamba, no passado dia 29 de Julho, que disse haver condições para acolher os cidadãos congoleses refugiados na localidade de Lóvua (Angola), desde Maio de 2017.

“O Congo tem condições para receber os nossos filhos a qualquer momento. Por isso, viemos para (tentar) encontrar soluções urgentes e acelerar a reunião tripartida entre os governos de Angola e da RDC e o Alto Comissariado das Nações Unidades”, frisou Martin Mulamba na altura em que esteve em Angola para uma visita de trabalho de três dias.

A sua visita visou tratar, com as autoridades angolanas, o processo de repatriamento dos refugiados da RDC, frisando que os motivos da saída dos cidadãos congoleses do seu país estão ultrapassados, pelo que já podem regressar, para contribuírem para o desenvolvimento do seu território.

O governo angolano começou as negociações no domingo com os refugiados que ainda se encontram no local de acolhimento, para aguardarem até que se criem as mínimas condições logísticas de apoio ao processo de repatriamento.

Condição do UCNUR

Até Junho do ano em curso, de acordo com o ACNUR, 18 mil 871 refugiados manifestaram o interesse de regressar de forma voluntária.

O Alto Comissariado das Nações Unidas (UCNUR) impõe dois moldes para o processo de repatriamento. O primeiro (repatriamento burocrático) prevê um kit de reintegração, com um valor de 200 dólares norte-americanos, enquanto o segundo (voluntário e espontâneo) não inclui o referido.

No primeiro, o processo é assegurado pelo ACNUR, que antes promove uma reunião tripartida para definir as datas do início do processo de repatriamento. No segundo molde, os dois Governos, Angola e RDC, criam apenas condições de transporte dos cidadãos que voluntariamente se decidirem a regressar.

O UCNUR estabelece até Outubro, depois da reunião tripartida (UCNUR, governos de Angola e da RDC), o mês do inicio do processo de repatriamento para aqueles refugiados que quiserem ter acesso o kit de reintegração. 

A migração dos cidadãos congoleses para Angola derivou da violência extrema e generalizada, causada por tensões políticas e étnicas na RDC, em 2017.

Leia também
  • 18/08/2019 13:54:07

    Governo angolano demove refugiados da RDcongo de abandonarem Lóvua

    Dundo - As autoridades angolanas estão a fazer tudo em apoio aos refugiados da vizinha República do Congo estabelecidos em território angolano, que, unilateralmente, decidiram abandonar o campo em que se encontravam alojados, anunciou este domingo fonte próxima do processo.

  • 06/08/2019 17:03:33

    Docente sugere aprovação da Lei de Protecção de Testemunhas

    Dundo - O docente universitário Raimundo Martins sugeriu hoje, terça-feira, no Dundo, Lunda Norte, a aprovação urgente da Lei de Protecção de Testemunhas, para garantir a eficácia e o dinamismo no combate ao crime organizado e ao branqueamento de capitais.

  • 31/07/2019 18:32:37

    Refugiados do Lóvua com portas abertas para regressar à RDC

    Lóvua - Os refugiados assentados no centro do Lóvua, Lunda Norte, têm até sábado, 3 de Agosto, para confirmar os requisitos de regresso à província do Cassai Central, na República Democrática do Congo (RDC).