Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

10 Setembro de 2019 | 17h45 - Actualizado em 10 Setembro de 2019 | 19h30

Caso Chinguar: Ex-gestora "arrola" antigo governador do Bié

Cuito - A ex-administradora do Chinguar, Beatriz Napende Diniz, alegou hoje (terça-feira), em Tribunal, que os actos que praticou no exercício das suas funções foram em cumprimento de ordens do ex-governador provincial do Bié, Álvaro de Boavida Neto.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Interrogatório à ex-administradora do Chinguar, Beatriz Napende Diniz

Foto: Leonardo Castro

A antiga administradora do Chinguar (2011/ 2018) está a ser julgada, no Tribunal Provincial do Bié, por desvio de fundos públicos, peculato, associação criminosa, branqueamento de capitais, falsificação de documentos, participação em negócios e tráfico de influência.

No mesmo processo, sob número 219/2019, são, igualmente, arrolados outros 21 arguidos, acusados de defraudar o Estado angolano em AKZ 296 milhões 711 mil e 773.

Durante esta fase de produção de prova material (procura da verdade), a ex-gestora negou, à instância do juiz, qualquer responsabilidade nos crimes de que é acusada.

“Fiz tudo sob orientação do ex-governador Álvaro Boavida Neto, por via telefónica, com realce para arrecadação de receitas do município, consubstanciadas na concessão de terras, licenças de obras e vedação”, denunciou.

A ré informou que no exercício das funções observava sempre o preceituado na Constituição da República de Angola, Estatuto Orgânico, Lei de Terra, do Orçamento e da Contratação Pública.

Apesar de consultar o Guia de Administrador para a prática de actos administrativos, a ré admitiu que, por vezes, atropelava, em menor parte, a Lei de Execução Orçamental.

Confessou ter atropelado a lei de forma “voluntária, consciente e intencional, tendo em conta as circunstâncias da crise que assola o país desde 2014, altura em que o Tesouro Nacional não homologava a tempo às Ordens de Saque”.

Quanto à selecção de empresas prestadoras de serviço, disse que as mesmas (empresas) eram contratadas pela administração do Chinguar, por via de cartas convite com valores entre dez a 35 milhões de kwanzas.

Assuntos Crime   Província » Bié  

Leia também
  • 04/09/2019 23:17:59

    Bié precisa de equipas de sensibilização sobre riscos de minas

    Cuito - A Comissão Nacional Inter-sectorial de Desminagem e Assistência Humanitária (CNIDAH) prevê constitui, na província do Bié, um total de nove equipas de sensibilização sobre os riscos de minas, para reduzir o número de acidentes, que tem sido recorrentes na região.

  • 31/08/2019 12:24:59

    MPLA no Bié reitera apelo à gestão rigorosa e transparente

    Cuito - Os dirigentes e quadros do MPLA devem continuar a primar por uma gestão rigorosa e transparente, visando a contínua melhoria do bem estar dos cidadãos, reafirmou, hoje (sábado), no Cuito, o segundo secretário do partido maioritário no Bié, Anastácio Severino Sambowé.

  • 30/08/2019 22:03:52

    Governo reafirma autarquias sem descriminação

    Cuito - O ministro da Administração do Território e Reforma do Estado, Adão de Almeida, negou, nesta sexta-feira, no Chitembo (Bié), existir descriminação, do ponto de vista de governação, aos municípios a serem ou não abrangidos nas autarquias locais.