Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

23 Setembro de 2019 | 19h26 - Actualizado em 24 Setembro de 2019 | 14h17

Caso Zé Maria: Estado gasta dois milhões de USD em documentos

Luanda - A aquisição dos documentos relativos à batalha do Cuito Cuanavale custaram aos cofres do Estado 2.486.478 dólares norte-americanos, informou hoje, segunda-feira, em julgamento o director para administração e finanças e serviços gerais do Serviço de Inteligência e Segurança Militar (SISM), Óscar Filomeno de Jesus Alves.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Ex-Chefe do SISM General António José Maria durante o Julgamento

Foto: Gaspar dos Santos

Julgamento do General Zé Maria

Foto: Gaspar dos Santos

Ao responder em julgamento no caso que envolve o ex-chefe do SISM, general António José Maria, acusado de extravio de documentos e de insubordinação, o oficial general afirmou que estes documentos foram fornecidos pelo cidadão Manuel Vicente Gaspar.

Referiu que este cidadão, com tripla nacionalidade (sul-africana, moçambicana e portuguesa), tinha acesso a documentos classificados como secretos na República da África do Sul.

O mesmo prestava serviço especial e secreto ao SISM pelo acesso fácil que tinha de documentos secretos das autoridades sul-africanas.

Questionado sobre a origem do dinheiro para o pagamento dos referidos documentos, afirmou que o SISM é uma unidade orçamentada, mas teve uma dotação especial do anterior Presidente da República, José Eduardo dos Santos, para a aquisição do material em causa.

Explicou que o montante era depositado numa conta do Banco Angolano de Investimento (BAI) destinado apenas ao pagamento dos documentos referentes à batalha do Cuito Cunavale.

Disse que o SISM tem todos os comprovativos das Guias de Entrega dos montantes pagos em “cash” (sonante) ao cidadão Manuel Vicente Gaspar, apesar de nunca ter tido acesso directo aos mesmos.

Referiu que os documentos da Batalha do Cuito Cuanavale estavam sob custódia directa do ex-chefe do Serviço de Inteligência e Segurança Militar, general António José Maria, e estavam numa sala cujo acesso era restrito.

Por seu turno, o chefe do gabinete de estudos jurídicos do SISM, tenente general Justino Lumbugololo, considerou violação do segredo militar a retirada dos documentos dessa instituição.

Questionado sobre a quantidade de documentos referentes à batalha do Cuito Cuanavale, o funcionário do SISM afirmou que apenas teve contacto com um documento e com livros que lhe foram fornecidos pelo general José Maria para tradução.        

Frisou que todo o documento que esteja sob a alçada do SISM é classificado como secreto e só pode ser  divulgado com autorização do comandante-em-chefe das Forças Armadas.

António José Maria esteve à frente do Serviço de Inteligência e Segurança Militar (SISM) de 2009 a 2017.

O julgamento, iniciado 12 de Setembro, prossegue nesta terça-feira (24) com continuação à audição dos declarantes.

Assuntos Angola   Justiça  

Leia também
  • 24/09/2019 11:30:13

    Presidente João Lourenço discursa na ONU

    Nova Iorque (Dos enviados especiais) - O Presidente da República, João Lourenço, discursa hoje, terça-feira na 74.ª Sessão Anual da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, EUA.

  • 23/09/2019 21:26:55

    Combate à corrupção no centro da acção governativa

    Luanda - No dia 26 de Setembro de 2017, o mundo testemunhou o começo de uma nova Angola, com pesados desafios políticos, económicos, sociais e um "cancro" que, por mais de 40 anos, comprometia o desenvolvimento do país: a corrupção.

  • 23/09/2019 18:12:16

    Caso Zé Maria: Tribunal indefere recurso da defesa

    Luanda - O Tribunal Supremo Militar indeferiu hoje, segunda-feira, o recurso interposto pela defesa do general António José Maria, em que pedia a prisão imediata do tenente-general Carlos Felipe (Feijó), por alegadas falsas declarações em julgamento.