Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

26 Setembro de 2019 | 09h01 - Actualizado em 26 Setembro de 2019 | 15h57

PR reafirma empenho na redução do desemprego

Nova Iorque (Dos enviados especiais) - O Presidente da República, João Lourenço, afirmou quarta-feira, em Nova Iorque, Estados Unidos da América, que o Executivo está empenhado na redução da taxa de desemprego e na melhoria do ambiente de negócios no país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da República, João Lourenço

Foto: Pedro Parente

O Presidente João Lourenço, que celebra hoje o seu segundo ano à frente dos destinos do país, augura por uma Angola melhor em termos de desempenho económico e maior participação do sector privado na economia.

O Chefe de Estado angolano falava à ANGOP, TPA, RNA e ao Jornal de Angola, à margem da 74.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, que decorre em Nova Iorque.

Referiu que o Executivo tudo está a fazer para melhorar as condições sociais dos cidadãos e que as reformas económicas em curso no país começam a surtir efeitos positivos.  

Disse ter consciência de que a situação social no país ainda não é das melhores e muita coisa há por se fazer.

“É normal que haja reclamações, porque nem tudo está feito. O que não se fez em 44 anos ninguém pode esperar que se faça em dois, isso seria ingenuidade”, observou.

Afirmou que, durante os dois anos de governação, o Executivo priorizou, fundamentalmente, o combate à corrupção, impunidade e apostou na diversificação da economia.  

Disse que o Estado está a dar mais espaço ao sector privado em detrimento do sector público, que até aqui tem “abocanhado” uma boa fatia da economia nacional.

“Estamos a começar agora o sentido inverso, em que o sector público se vai retirando gradualmente e o sector privado vai entrando também gradualmente”, sustentou.

A esse respeito, lembrou que o Governo negociou, recentemente, uma linha de financiamento de um banco europeu, no valor de mil milhão de dólares, para o sector privado nacional.

“Isto é um sinal muito claro do que esperamos, para que o sector privado cresça e ocupe o seu espaço”, sustentou.

Acabar com a impunidade

Na breve entrevista concedida numa das unidades hoteleiras em Nova Iorque, o Chefe de Estado angolano disse ser necessário trabalhar arduamente para não haver impunidade no país.

Reconheceu que a corrupção existe em praticamente todos os países do mundo, “mas a diferença é quando há corrupção e há impunidade, ou seja, não acontece nada a quem se mete nesta aventura”.

Reafirmou que o Estado, no seu todo, em particular os órgãos de justiça, vão continuar a ir atrás de casos de corrupção que sejam conhecidos.

Participação positiva na Assembleia Geral da ONU

João Lourenço considerou positiva a sua participação na sessão da Assembleia Geral da ONU, onde, para além do Debate Geral propriamente dito, estabeleceu contactos com representantes da alta finança dos Estados Unidos da América (EUA), no quadro dos esforços do Executivo, para mobilizar investimentos no país.

“Tivemos uma agenda de trabalho bastante intensa, que não se limitou apenas na participação propriamente dita na sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas”, sublinhou.

Indicou que, à margem do magno evento, estabeleceu também encontros com homens de negócios, fazedores de opinião e com políticos da câmara das Relações Exteriores dos EUA.

Disse que aproveitou o certame para passar a mensagem sobre as reformas económicas em curso no país e apelou ao investimento privado estrangeiro, em especial o norte-americano.

Durante a sua estada em Nova Iorque, João Lourenço reuniu-se com o presidente do Banco Mundial (BM), David Malpass, e com representantes de bancos e instituições financeiras de primeira linha dos EUA.

Agradeceu à contribuição do BM pelo financiamento de projectos sociais no país, avaliados em 1.3 mil milhões de dólares e pela instalação, em Outubro deste ano, em Angola, do escritório do IFC, a maior instituição de desenvolvimento global focada para o sector privado.  

“Estamos à procura de investimento privado, quer nacional, quer estrangeiro, e acho que estamos no bom caminho”, disse o Titular do Poder Executivo.

Reafirmou, igualmente, a necessidade da diversificação dos produtos de exportação que não se devem limitar apenas ao petróleo e ao diamante.

Assuntos Angola   ONU   Presidente da República  

Leia também
  • 26/09/2019 11:07:36

    Embaixadora britânica destaca visita do príncipe Harry

    Luanda - A embaixadora britânica em Angola, Jessica Hand, elege a contribuição da desminagem para a prosperidade e a segurança pública como um dos ângulos centrais da visita que o príncipe Harry inicia esta quinta-feira a Angola.

  • 25/09/2019 18:09:42

    Caso Zé Maria: Réu condiciona devolução de documentos

    Luanda - O ex-chefe do Serviço de Inteligência e Segurança Militar (SISM), general António José Maria, condicionou a entrega dos documentos referentes à batalha do Cuito Cuanavale em sua posse a um encontro entre o Presidente da República, João Lourenço, e o seu antecessor, José Eduardo dos Santos.

  • 25/09/2019 02:12:27

    Líderes mundiais levam mensagens de paz à ONU

    Nova Iorque (Dos enviados especiais) - Os discursos dos líderes mundiais, durante o Debate Geral da Assembleia Geral da ONU, aberto quarta-feira, em Nova Iorque, centraram-se nos principais problemas que o mundo enfrenta, com realce para paz, acção climática e terrorismo.