Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

22 Fevereiro de 2020 | 13h41 - Actualizado em 22 Fevereiro de 2020 | 13h41

Uganda tem um mês para verificar alegações do Rwanda

Gatuna-Katuna (Dos enviados especiais) - A República do Uganda deverá, no prazo de um mês, verificar as alegações do vizinho Rwanda sobre as acções provenientes do seu território, perpetradas por forças hostis ao Governo rwandês.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Reunião quadripartida de Gatuna-Katuna

Foto: Cedida

A recomendação é uma das principais decisões saídas da 4ª Cimeira Quadripartida (Angola, Uganda, Rwanda e República Democrática do Congo), que decorreu sexta-feira na região de Gatuna-Katuna, fronteiriça entre Rwanda Uganda.

O comunicado do encontro refere que caso sejam provadas as alegadas acções, o Governo ugandês deverá tomar as medidas necessárias para a sua cessação.

Sublinha que a acção deve ser verificada e confirmada pela comissão ministerial “Ad-Hoc” para a implementação do Memorando de Entendimento de Luanda.

Uma vez cumprida essa recomendação e reportada aos Chefes de Estado, prossegue a nota, os mediadores realizarão, 15 dias depois, em Gatuna-Katuna, uma outra Cimeira quadripartida para a cerimónia solene de reabertura das fronteiras e consequente normalização das relações entre ambos países.

Um dos objectivos da reunião foi debater  a reabertura da fronteira comum (Rwanda/Uganda), encerrada desde Março de 2019, devido a acusações recíprocas de espionagem e intromissão política.

Na base desta medida está um incidente fronteiriço que resultou na morte de uma pessoa em cada lado, tendo o Presidente Paul Kagame ordenado o encerramento da fronteira entre os dois países, bloqueando a via comercial imprescindível para a circulação de pessoas e bens.

Na altura, o Chefe de Estado do Rwanda acusou o homólogo do Uganda de colaborar com a oposição rwandesa e com forças hutus, para desestabilizar do seu país.

Por seu turno, Museveni acusou Kagame de assassinato de adversários políticos no território ugandês.

O Rwanda e o Uganda, dois países da África Oriental sem saída para o mar, fazem parte da Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), juntamente com Angola, República Democrática do Congo, Burundi, República do Congo, República Centro Africana, Tanzânia, Sudão, Quénia e Zâmbia.

Assuntos Angola   Grandes Lagos  

Leia também
  • 22/02/2020 14:18:15

    Angola diz basta à corrupção

    Luanda - Várias marchas de repúdio às práticas de corrupção e impunidade, convocadas pelo MPLA, decorreram, neste sábado, em 14?? das 18 províncias do país.

  • 22/02/2020 12:00:53

    Angola defende transparência e inclusão no Conselho de Segurança

    Nova Iorque - Angola defendeu sexta-feira, em Nova Iorque, uma maior transparência e inclusão no Conselho de Segurança da ONU, porquanto as diferenças entre assentos permanentes e não permanentes tornam este órgão "altamente desigual e ineficiente".

  • 22/02/2020 10:30:20

    Luandenses marcham contra impunidade

    Luanda - Centenas de cidadãos participam, desde as 10h20 deste sábado, em Luanda, numa marcha de apoio às medidas do Governo para combater a corrupção e a impunidade, convocada pelo MPLA (partido no poder).