Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

16 Março de 2020 | 19h54 - Actualizado em 16 Março de 2020 | 19h54

Cuanza Norte tem novos postos de identificação

Ndalatando - Três novos postos de identificação foram abertos hoje (segunda-feira), nas sedes municipais da Banga, Samba Cajú e Lucala (Cuanza Norte), em acto orientado pelo governador provincial, Adriano Mendes e Carvalho.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Em declarações à imprensa, a vice-governadora do Cuanza Norte para o sector político, social e económico, Leonor da Silva de Lima e Cruz, salientou que a província conta, agora, com postos de emissão de bilhete de identidade nos seus dez municípios.

A responsável avançou que o objectivo é aproximar os serviços de justiça à população.

Por sua vez, a delegada provincial do Cuanza Norte da Justiça e Direitos Humanos, Delfina Camulonbo, afirmou que as unidades vão facilitar a implementação do programa de massificação do registo civil e de emissão do bilhete de identidade.

Esclareceu que o programa, que teve início naquela província, prevê instalar em todas as comunas postos de registo civil e de emissão de bilhete de identidade, até 2022.

Brigadas Móveis

A responsável informou, ainda, que serão criadas, no decurso deste mês, duas brigadas móveis, com 28 elementos cada, que vão reforçar os dez postos fixos nas administrações municipais.

Para o efeito, acrescentou, estão a ser aproveitadas as estruturas construídas nos municípios para albergar os serviços do Balcão Único do Empreendedor (BUE).

As brigadas, referiu, vão integrar elementos dos Serviços de Migração e Estrangeiros (SME) e de Investigação Criminal (SIC), para impedir que cidadãos estrangeiros adquiram, ilegalmente, a nacionalidade angolana.

Delfina Camulonbo informou que as brigadas móveis vão actuar nas localidades de difícil acesso e onde não há condições para instalação das fixas (brigadas).

Leia também