Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Reconstrução Nacional

27 Novembro de 2018 | 17h06 - Actualizado em 27 Novembro de 2018 | 17h06

Falta de verbas condiciona obras na estrada nº 100

Luanda - As obras de reabilitação e ampliação da estrada nacional nº 100, que liga Cabo Ledo (Luanda) /Lobito (Benguela) estão paralisadas por falta de verbas, informou nesta terça-feira, em Luanda, o ministro da Construção e Obras Públicas, Manuel Tavares.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Ministro da Construção, Manuel Tavares de Almeida

Foto: Lino Guimarães

Obras de estradas (arquivo)

Foto: Aspirante Viera Afonso

A não disponibilização atempada de verbas da linha de crédito da China, financiadora do projecto, está na base da estagnação da obra, segundo o governante que falava à imprensa, à margem da VIII Conferência Anual dos Organismos Estratégicos do Controlo Interno da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (OECI–CPLP), que decorre em Luanda de 27  30 deste mês.

“Os pagamentos não estão a acontecer. Estamos, esta semana, a tentar a ver a questão com os bancos chineses no sentido de regularizar a situação”, disse, reconhecendo a importância estruturante desta estrada que liga o sul de Angola.

Entretanto, o ministro adiantou que as obras das estradas Alto-Dondo (Cuanza Norte)/Wako-Cungo, Caála (Huambo)/Cacuso (Malange), inicialmente aprazadas para Novembro, devem terminar no mês de Dezembro próximo.  

Neste momento, as obras estão a receber trabalhos de sinalização vertical e horizontal.

Anunciou ainda, para 15 de Dezembro, a inauguração da ponte definitiva sobre o rio Luachimo, no troço rodoviário Saurimo/Luena, na estrada nacional 180.

Informou também estar a decorrer um plano de emergência de estancamento de ravinas “preocupantes”, executado pelo Ministério, enquanto outros projectos foram submetidos a concurso público.  


 

Leia também