Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Reconstrução Nacional

21 Agosto de 2018 | 17h41 - Actualizado em 22 Agosto de 2018 | 12h45

Projecto de reabilitação de vias de Luanda entra na terceira fase

Luanda - A terceira fase do projecto de reabilitação de vias de Luanda iniciou hoje (terça-feira), em cerimónia realizada na rua Machado Saldanha.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Lançamento da 3ª fase do projecto de reabilitação das vias de Luanda

Foto: Fotos cedidas

Nesta fase, o projecto  comtempla as vias  28 de Agosto, Kimbangu – Calemba II,  no Kilamba Kiaxi;  e as avenidas Major Canhangulo, Comandante   Kwenha e parte da Quinta Avenida no  Cazenga, para desafogar o trânsito na capital do país e melhorar a mobilidade.

Em 12 meses, prevê-se,  além da pavimentação, iluminação pública, tratamento de colectores e rede de telecomunicações e será feita sinalização vertical e horizontal, bem como a plantação de árvores.  

As obras estarão a cargo da empresa portuguesa  Mota Engil e a fiscalização será da responsabilidade da DAR, instituição de direito angolano criada em 1979. A empresa DAR também foi responsável pela fiscalização da I e II fases do projecto em 2013 e 2016.  

No acto, o  governador Adriano Mendes de Carvalho,  que fez o lançamento da primeira pedra em algumas das vias a intervencionar, chamou a atenção ao empreiteiro para a qualidade da obra e pelo facto das vias em Luanda se degradarem no tempo chuvoso, lembrando que em outras partes do mundo também chove, mas o asfalto se mantém.  

Pediu ao empreiteiro para permitir a circulação rodoviária no troço da via já intervencionada, ao contrário do que tem acontecido, com o fecho das ruas até a conclusão.

Criticou a população pelo roubo de cabos de energia que se tem verificado em vários pontos do país e da província de Luanda,  solicitando que sejam denunciados os criminosos.

Leia também