Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Reconstrução Nacional

10 Fevereiro de 2020 | 16h56 - Actualizado em 10 Fevereiro de 2020 | 19h08

Falta de meios inviabiliza reposição das pontes sobre rio Cunene

Huambo - O director o Gabinete dos Serviços Técnico e Infra-Estruturas na província do Huambo, Francisco António Chilombo Rodrigues Neto, informou esta segunda-feira, que o Governo local está sem capacidade técnica para reposição das pontes sobre o rio Cunene, destruídas pelas chuvas que se abatem, nos últimos dias, nesta região.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Obras de terraplanagem

Foto: Júlio Vilinga

Director do gabinete técnico de Infra-estrutura, Francisco Neto

Foto: Júlio Vilinga

Em declarações à ANGOP, o responsável disse que as chuvas causaram a destruição completa da ponde metálica sobre o rio Cunene, na via Cuando/Sambo, de cinco metros de largura e 14 de cumprimento, e a outra que liga as províncias do Huambo e da Huíla, passado pelo comuna da Calima, no planalto central.

Esta última, em estrutura feita em betão, ficou destruída de forma parcial, numa altura em que o Governo local não dispõe de meios técnicos para repor as aludidas pontes, uma situação que está a criar transtornos na circulação de pessoas e bens.

Entretanto, disse estarem a decorrer alguns trabalhos paliativos de reposição dos danos causados nas estradas e pontes nesta região do país, mas que ainda assim  carecem da intervenção do Governo Central, tendo em conta o índice de destruição que se regista.

A ponte sobre o rio Cunene, que liga o troço Calima/Matala, foi reabilitada em 2003 e dá acesso às províncias da Huíla, Cuando-Cubango e outras regiões da parte Sul de Angola, interligados zonas potencialmente agrícolas e com recursos indispensáveis para o bem-estar da população.

A população destas regiões são maioritariamente camponesas, com foco no cultivo da mandioca, ginguba, feijão, milho, arroz, batata,   abacate, inhame, cana-de-açúcar, hortícolas e outros produtos em grande escala, cujos mesmos correm o risco de deteriorar-se por dificuldades na travessia.

Potencialmente agrícola, a província do Huambo, Planalto Central de Angola, conta com dois milhões, 519 mil e 309 habitantes, distribuídos por 11 municípios, que perfazem uma extensão territorial de 35.771 quilómetros quadrados.

Assuntos Província » Huambo  

Leia também
  • 22/01/2020 13:57:17

    IRCCOP legaliza perto de três mil empresas do sector da construção

    Huambo - Perto de três mil instituições empresariais do ramo de construção e obras públicas, em todo território nacional, foram legalizadas pelo Instituto Regulador da Construção Civil e Obras Públicas (IRCCOP), desde 2017, segundo o seu director-geral, Luís Filipe.

  • 13/01/2020 13:50:24

    Ponte sobre rio Lutamo na EN 250 em risco de desabar

    Huambo - A ponte sobre o rio Lutamo, na Estrada Nacional (EN) 250, que liga as províncias do Huambo, Bié e Cuando Cubango, corre o risco de desabar a qualquer momento, depois de uma das passagens hidráulicas ter cedido, devido ao enferrujamento.

  • 11/12/2019 15:45:21

    INEA trava ravina na centralidade do Lossambo

    Huambo - O Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) na província do Huambo concluiu, esta quarta-feira, os trabalhos de emergência de contenção parcial da ravina, de aproximadamente 700 metros de cumprimento, 250 de larguras e 15 de profundidade, que ameaçava engolir parte das habitações da centralidade do Lossambo.