Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

31 Março de 2017 | 19h00 - Actualizado em 31 Março de 2017 | 19h00

Angola: Especialista aconselha alimentação saudável

Luanda - Uma alimentação saudável de formas a se evitar doenças neurológicas e garantir as mentes saudáveis para o exercício pleno das faculdades mentais foi recomendada hoje, sexta-feira, em Luanda, pelo nutricionista José Nguepe.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

José Nguepe - Nutricionista

Foto: Gaspar da Silva

José Nguepe fez este pronunciamento à imprensa à margem do Iº fórum sobre doenças mentais e psiquiátricas, tendo referido que a nutrição é a “mola mestre” para qualquer tipo de actividade.

O especialista ao dissertar sobre “A influência da alimentação nos distúrbios mentais” explicou que o funcionamento dos neurónios só é possível em função de uma boa alimentação, que deve ser diversificada com produtos exclusivamente naturais.

Fez saber que as doenças de fórum mental podem se agravar em função da deficiência de determinadas vitaminas e outros elementos que a natureza não os tem.

“É fundamental que as pessoas usem mais os alimentos vindo directamente da natureza, tendo em vista que confere tudo aquilo que é necessário para a manutenção e funcionamento do corpo de forma geral”, disse.

Observou, que encarregados de educação devem estudar muito sobre a nutrição no sentido de transmitir as mesmas informações às crianças de maneira a ter uma sociedade cada vez mais coesa e saudável.

No seu entender, as crianças devem ser acostumadas a comer sobretudo frutas e vegetais diariamente e retirar da dieta dos pequenos todos os alimentos que são artificias tendo em vista os mesmos não contribuem para o bem-estar de todo o cidadão.

“Quanto mais habituar as crianças a utilizar alimentos naturais melhor é para o bem físico e mental do cidadão”, reforçou.  

Disse que estudos desenvolvidos nos Estados Unidos da América confirmam a existência de alimentos que após consumo podem gerar comportamentos agressivos no corpo do indivíduo, facilitar o esquecimento de formas progressiva e gerar doenças neurológicas.

Citou os açúcares, embora forneça energia rapidamente, o efeito estimulante é de curta duração, assim como outros elementos com alto índice glicémico como o caso da batata, massa, cerais refinados e doces elevam também a produção de insulina e outras reacções químicas que afectam as áreas subjacente à mente.

Outro elemento, prosseguiu, que pode afectar a mente são as carnes que estimulam a produção de substâncias tóxicas para os neurónios.

Referiu que as formas mais críticas de preparo das carnes são as frituras e chorracos que devem ser evitadas de formas a garantir o bem-estar das pessoas.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 05/02/2019 14:08:39

    Doenças à espreita nos mercados a céu aberto

    Luanda - Frequentados há mais de 20 anos, os mercados a céu aberto ganharam o "rótulo" de principal ponto de venda de produtos a retalho em Luanda, essencialmente os do ramo alimentar. Todos os dias, atraem milhares de clientes, em busca de diversidade e baixos preços.

  • 19/01/2019 14:40:04

    Minsa e enfermeiros alcançam consenso negocial

    Luanda - Depois de um mês de negociações, o Ministério da Saúde (Minsa) e o Sindicato dos Enfermeiros de Angola (SINDEA) alcançaram consenso, pondo fim à ameaça de greve no sector da saúde.

  • 18/01/2019 18:12:06

    Candidatos na ordem dos médicos com 10 dias para regularizar processos

    Luanda - A Comissão Nacional Eleitoral da Ordem dos Médicos de Angola deu, nesta sexta-feira, em Luanda, 10 dias aos candidatos a bastonários para regularizar a situação relativa as inscrições da população votante.

  • 16/01/2019 17:04:58

    Mais de 10 mil enfermeiros sem emprego no país

    Luanda - A Ordem dos Enfermeiros de Angola (ORDENFA) informou nesta quarta-feira, em Luanda, que pelo menos 10 mil e 100 profissionais do ramo estão desempregados no país.