Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

09 Fevereiro de 2018 | 09h27 - Actualizado em 09 Fevereiro de 2018 | 11h42

Pais com bebés internados clamam por apoios

Luanda - Os pais com bebés internados no Centro Neurocirúrgico e de Tratamento da Hidrocefalia (CNCTH) clamam por apoios financeiros, alimentares, medicamentos e transporte.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ao falarem à Angop, os pais afirmaram que, apesar da sua condição de vulnerabilidade, provêem de zonas suburbanas de províncias e municípios longínquos. 

Os pacientes que acorrem a este Centro comparticipam apenas com 150 mil Kwanzas, mas, ainda assim, há famílias que não podem custear as despesas, devido a sua vulnerabilidade, notando o seu desespero ver o seu filho a sofrer.

O director do CNCTH, Mayanda Inocente, frisou que os doentes/famílias são desprovidos de recursos financeiros para pegar um autocarro público que os leve ao hospital especializado ou comprar medicamentos básicos e sem apoio dos familiares e cônjuges. 

Acrescentou que os beneficiários deslocam-se a unidade hospitalar com vários problemas familiares, preconceitos culturais, misticismo, desemprego, baixo nível de escolaridade, planeamento familiar, abandono e separação de cônjuges, o que tem dificultado o desenvolvimento das crianças.

Considerou que uma das estratégias passa pela comparticipação livre e solidária da sociedade.

Maria Feliciano de 19 anos de idade, internada com o filho de cinco anos, com hidrocefalia, solicita apoio financeiro para a compra de medicamos e alimentação, dado que a família não a apoia, situação idêntica vivida por Célia Francisca Webo, de 20 anos.

Imaculada Pedro, de 32 anos de idade, diz clamar pelo apoios alimentares, "mas outro problema é o preconceito e o estigma da família, que associa a doença da menina a casos de feitiçaria", lamentou.

Merciana Jamba, de 19 anos, afirmou estar no centro desde Novembro do ano transcato, proveniente da província do Huambo, estando a criança com problemas de espinha bifida, sendo o grande preocupação a falta de dinheiro, comida e falta de apoio familiar.

Manuel Bambi, de 25 anos, vindo de Benguela, desde 31 de Janeiro, indica que o filho ainda não foi operado, por não obter os 150 mil kwanzas para comparticipar nas despesas da operação, estando a sobreviver graças aos funcionários do centro, pelo que apela à população para o apoiarem. 

O Centro de Hidrocefalia, adstrito ao Ministério da Saúde, foi fundado em 2008, e tem como missão diminuir a morbi-mortalidade da Hidrocefalia-Espinha-bífida e doenças afins.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 05/11/2018 15:05:14

    Ministério da Saúde lança serviço de telemedicina

    Luanda - O Ministério da Saúde, em parceria com o Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, lança nesta terça-feira, 6, na provincia do Hambo, o serviço de telemedicina.

  • 23/10/2018 03:46:22

    Governador enaltece memorando transfronteiriço Angola/Namíbia

    Ondjiva - O memorando transfronteiriço de saúde entre Angola e Namíbia, em curso desde 2011, atingiu níveis satisfatório com implementação de postos para testagem e tratamento da malária, avançou segunda-feira o governador da província do Cunene, Virgílio Tyova.

  • 15/10/2018 13:39:29

    Jovens da Fé Apostólica doam sangue ao hospital de Malange

    Luanda - Jovens afectos a Igreja Fé Apostolica em Angola doaram na semana finda ao hospital regional de Malanje 11 mil mililitos de sangue, no âmbito do acampamento juvenil dessa congregação religiosa, que decorreu de 11 a 14 do corrente mês no município da Catepa.

  • 13/10/2018 17:11:33

    MINSA implanta gabinetes de utentes nas unidades sanitárias

    Luanda - O Ministério da Saúde (MINSA) está a fazer um diagnóstico para a implantar Gabinetes de Utentes em todas unidades sanitárias do país, no âmbito da municipalização e humanização dos serviços de saúde, disse sábado a ministra de tutela, Sílvia Lutucuta.