Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

16 Abril de 2018 | 12h48 - Actualizado em 16 Abril de 2018 | 12h26

Governador defende mais vigilância epidemiológica na fronteira comum

Luena - O governador do Moxico, Gonçalves Muandumba, sugeriu a Ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, para se prestar uma maior atenção na vigilância epidemiológica na vasta fronteira entre Angola, República Democrática do Congo (RDC) e Zâmbia.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, visita o Centro Regional de Rebilitação Física do Moxico

Foto: David Dias

Moxico: Campanha de vacinação contra Pólio e Sarampo

Foto: kinda kyungu

O facto foi defendido num encontro entre a Ministra da Saúde e os membros do governo local, realizado durante o fim de semana, no quadro da sua visita de trabalho a província, precisando que a vigilância epidemiológica passa por promover-se campanhas de vacinação e de saúde preventiva numa cooperação com os países vizinhos.

Por ser uma província com uma vasta fronteira (1.077, sendo 747 com a Zâmbia e 330 com a RDC), segundo Muandumba, impõe-se a necessidade do reforço do controlo migratório para o bem da população destes três países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Na vertente assistencial, o governador pede uma intervenção nas estruturas físicas e apetrechamento de equipamento moderno do Hospital Sanatório e do Centro Regional de Reabilitação Física, este último que atende a região leste, que detém muitos deficientes de guerra e não só.

Entretanto, Sílvia Lutucuta após visitar as duas instituições prometeu analisar a situação para “possíveis soluções”.

Muandumba deu igualmente a conhecer à ministra que a província tem um elevado índice de pessoas contaminadas com tuberculose, Vih/sida e malária, esta última a principal causa de mortes.

No quadro do projecto de transformação do Hospital Geral em Hospital-Escola, o governador propôs o recrutamento de especialistas capazes de aproveitar os serviços de nefrologia, otorrinolaringologia, pneuomologia, que nunca funcionaram desde a reinauguração da instituição, a 14 de Fevereiro de 2015.

A jornada de trabalho da ministra da saúde, que visitou, com os parceiros sociais do UNICEF, OMS, FAS e outas, os hospitais Gerais, municipal do Moxico e de Camanongue, Maternidade provincial, Sanatório, Centro Médico da IEIA “Jesus Salva”, onde entregou uma ambulância, terminou domingo, com a oferta de quatro ambulâncias ao Hospital Geral.

A província do Moxico é a maior de Angola em termos de território (223, 023 km2), ocupando 17, 9 porcento do país. Cerca de 758.568 pessoas habitam a região 389.131, das quais mulheres.

Assuntos Província » Moxico   Saúde  

Leia também
  • 08/11/2018 18:03:46

    Sessenta crianças morrem de má nutrição no Cunene

    Ondjiva - Sessenta crianças, de zero aos cinco anos de idade, morreram de má nutrição severa e aguda moderada, de um total de 3.978 casos registados no decurso dos últimos nove meses em diferentes unidades sanitárias da província do Cunene.

  • 08/11/2018 12:30:02

    Médicos militares analisam prevenção de doenças

    Luanda - Médicos militares estão reunidos, desde hoje, quinta-feira, na XI jornadas médicas para analisar como prevenir a proliferação das doenças, sobretudo as mais perigosas do ponto de vista médico-sanitário destacando-se o VIH/Sida, a malária , tuberculose e a hipertensão.

  • 05/11/2018 17:47:56

    Reduzem casos de sida em Muconda

    Saurimo - Oito novos casos de infecção pelo vírus do VIH/Sida foram diagnosticados, de Janeiro até a presente data, do ano em curso, no município do Muconda (Lunda Sul), menos quatro em relação a igual período de 2017.

  • 05/11/2018 12:12:36

    País conta com 33 mil parteiras tradicionais

    Luanda - Trinta e três mil parteiras tradicionais prestam serviços em todo país na realização de partos dentro das comunidades, coadjuvando assim na redução da mortalidade materna e infantil.