Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

02 Setembro de 2018 | 01h13 - Actualizado em 02 Setembro de 2018 | 01h13

Cabinda: Autoridades sanitárias preparadas para eventuais casos de Ébola

Cabinda - As autoridades sanitárias em Cabinda estão municiados de técnicas e conhecimentos para detectar eventuais casos de Ébola, assegurou o supervisor provincial para Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde, Domingos Casimiro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Posto fronteiriço do Yema, a sul de Cabinda

Foto: Angop

Falando sábado à Angop, Domingos Casimiro disse que essas valências visam manter os técnicos permanentemente atentos, tendo em conta o surto da epidemia de ébola que assola a região Kivu Norte, na República Democrática do Congo (RDC).

"Todas as unidades sanitárias dos municípios e postos fronteiriços foram equipados de meios como termómetros infra-vermelhos, material de informação e propaganda sobre a doença, com a supervisão nos postos fronteiriços do Yema, a sul de Cabinda, bem como os postos de travessia de Chimbuandy, Mbaca Kossi e Lucula Zenze, todos com a RDC", disse.

Acrescentou que desde o primeiro surto da epidemia na RDC nunca foram registados na região nem ao longo das fronteiras comuns com os dois Congos eventuais casos ou sintomas da doença.

As medidas preventivas colocadas nas fronteiras, explicou, os técnicos usam o termómetro infra-vermelho como meio técnico de medir a temperatura das pessoas que entram para o território nacional e em caso de se detectar sinais de febres altas de trinta e oito graus, descreve-se a sua localização de proveniência e onde se irá acomodar de modo a facilitar a localização em caso de suspeita.

O sector da saúde mantêm os apelos a população residente ao longo das fronteiras comuns com os Congos a manterem-se vigilantes e alertas, denunciando às autoridades sanitárias quanto aos sinais de cidadãos acolhidos nos bairros ou aldeias com sintomas de vómitos, febre alta, diarreia com ou sem sangue que se identificam com a doença do ébola.

Leia também