Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

06 Setembro de 2018 | 11h26 - Actualizado em 06 Setembro de 2018 | 11h24

Cidadãos devem evitar confundir medicina natural com misticismo

Luanda - O naturopata José Nguepe apelou aos angolanos a não deturpar a medicina natural com o misticismo (feitiçaria), salientando que se deve resgatar a cultura nacional com a cura das plantas medicinais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Fachada da clínica Videira Nguepe

José Nguepe - Nutricionista

Foto: Pedro Parente

Segundo o naturopata, que falava à Angop sobre vantagens da medicina natural, há necessidade de os angolanos valorizar as plantas medicinais, não desprezando os que procuram este tratamento confundindo com outras crenças.

“Em Angola temos a nossa própria cultura, não podemos desprezar os naturopatas porque nem todos são charlatões”, salientou.

Acrescentou que os que utilizam a medicina natural não devem desprezar os que fazem recurso à medicina convencional pois ambas se complementam.

“Nas duas medicinas há limitações por isso se complementam. Não deve haver crenças erradas sobre elas”, referiu.

O também nutricionista considerou que devemos seguir o exemplo dos chineses que fazem o uso da medicina natural, pois a nossa fauna é rica em plantas medicinais.

“O que falta é orientar as pessoas quanto à dosagem destes medicamentos naturais para evitar intoxicação”, aconselhou.

José Nguepe é o director geral da clínica Videira Nguepe de Angola onde atende pacientes tanto na medicina natural e convencional.

Com mais de 14 anos de experiência, é formado em Naturopatia e Nutrição Humana na Faculdade SPEI, Brasil.

Actualmente é mestrando em Nutrição Clínica em Barcelona, Espanha e docente universitário do ISIA (Instituto Superior de Angola).

A clínica tem 80 funcionários, todos angolanos, dos quais quatro médicos convencionais e cinco naturopatas, oito enfermeiros e pessoal administrativo.

As consultas custam entre cinco e dez mil Kwanzas. O centro tem capacidade de internamento para 27 camas, possui uma farmácia de medicamentos naturais e convencionais, bem como um restaurante de comida vegetariana para doentes e interessados.  

Assuntos Serviços de saúde  

Leia também
  • 01/11/2018 15:31:09

    Mais de quatro mil pacientes assistidos no centro de reabilitação do Bié

    Cuito - Pelo menos quatro mil 545 pacientes, entre crianças e adultos, com deficiências físicas foram assistidas no centro de reabilitação física, de Janeiro a 31 de Outubro deste ano, informou hoje, quinta-feira, no Cuito, o administrador da unidade, Bertil Afonso Cassoma.

  • 31/10/2018 14:28:29

    Sanatório sem reagentes para exames

    Menongue - A falta de reagentes, nos últimos dias, no hospital sanatório de Menongue, no Cuando Cubango, tem levado a que o diagnóstico da tuberculose seja feito com recurso ao exame de raio X, informou terça-feira, a administradora da unidade sanitária, Victória Mutango.

  • 30/10/2018 11:51:45

    Distribuídos 1.345 mosquiteiros a população da Lúbia

    Nhârea - Mil e 345 mosquiteiros impregnados foram distribuídos às comunidades da comuna da Lúbia, município do Nhârea, 240 quilómetros a norte da província do Bié, desde Agosto a presente data, pelas autoridades sanitárias na circunscrição.

  • 30/10/2018 09:48:45

    Novas unidades sanitárias reforçam serviços na Nharea

    Nhârea - Duas novas unidades sanitárias com a capacidade de internar doze pacientes cada, erguidas pelo governo local, começam a funcionar em Novembro deste ano, nas localidades de Chiculumbo e Maria Teresa, no município de Nhârea, 175 quilómetros a Norte da cidade do Cuito (Bié).