Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

06 Setembro de 2018 | 11h26 - Actualizado em 06 Setembro de 2018 | 11h24

Cidadãos devem evitar confundir medicina natural com misticismo

Luanda - O naturopata José Nguepe apelou aos angolanos a não deturpar a medicina natural com o misticismo (feitiçaria), salientando que se deve resgatar a cultura nacional com a cura das plantas medicinais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Fachada da clínica Videira Nguepe

José Nguepe - Nutricionista

Foto: Pedro Parente

Segundo o naturopata, que falava à Angop sobre vantagens da medicina natural, há necessidade de os angolanos valorizar as plantas medicinais, não desprezando os que procuram este tratamento confundindo com outras crenças.

“Em Angola temos a nossa própria cultura, não podemos desprezar os naturopatas porque nem todos são charlatões”, salientou.

Acrescentou que os que utilizam a medicina natural não devem desprezar os que fazem recurso à medicina convencional pois ambas se complementam.

“Nas duas medicinas há limitações por isso se complementam. Não deve haver crenças erradas sobre elas”, referiu.

O também nutricionista considerou que devemos seguir o exemplo dos chineses que fazem o uso da medicina natural, pois a nossa fauna é rica em plantas medicinais.

“O que falta é orientar as pessoas quanto à dosagem destes medicamentos naturais para evitar intoxicação”, aconselhou.

José Nguepe é o director geral da clínica Videira Nguepe de Angola onde atende pacientes tanto na medicina natural e convencional.

Com mais de 14 anos de experiência, é formado em Naturopatia e Nutrição Humana na Faculdade SPEI, Brasil.

Actualmente é mestrando em Nutrição Clínica em Barcelona, Espanha e docente universitário do ISIA (Instituto Superior de Angola).

A clínica tem 80 funcionários, todos angolanos, dos quais quatro médicos convencionais e cinco naturopatas, oito enfermeiros e pessoal administrativo.

As consultas custam entre cinco e dez mil Kwanzas. O centro tem capacidade de internamento para 27 camas, possui uma farmácia de medicamentos naturais e convencionais, bem como um restaurante de comida vegetariana para doentes e interessados.  

Assuntos Serviços de saúde  

Leia também
  • 04/02/2019 06:38:08

    Uíge com serviço de tele-medicina

    Uíge - A província do Uíge vai ter, muito brevemente, alguns pontos de serviço de tele-medicina para assistir pacientes, atendendo a falta de médicos especialistas em certas áreas da medicina, anunciou domingo, nesta cidade, a ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta.

  • 31/01/2019 11:05:50

    Luanda intensifica luta contra vector da malária

    Luanda - O Governo Provincial de Luanda vai, de 5 a 28 de Fevereiro, intensificar a luta anti-vectorial da malária em todos os municípios da capital angolana, para reduzir o impacto da doença na população.

  • 30/01/2019 11:15:32

    Hospital do Soyo sem serviços de cardiologia e ortopedia

    Soyo - Os serviços de cardiologia e ortopedia no hospital municipal do Soyo, província do Zaire, encontram-se paralisados há mais de um ano por falta de médicos.

  • 27/01/2019 02:03:01

    Cunene com 206 novos técnicos de saúde

    Ondjiva - Duzentos e seis técnicos médios de enfermagem, análises clínicas, farmácia e fisioterapia, formados na Escola Técnica de Saúde de Ondjiva, província do Cunene, receberam sábado, nesta cidade, os seus certificados de fim de curso.