Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

10 Fevereiro de 2019 | 18h11 - Actualizado em 11 Fevereiro de 2019 | 12h01

Casos de malária superam estatísticas no Hospital Geral

Menongue - Quatro mil casos de malária, com 52 óbitos, foram registados em 2018 no Hospital Geral do Cuando Cubango, tida como uma doença que supera as estatísticas entre as demais, informou o director desta instituição, Fernando Cassanga.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Os dados foram fornecidos no âmbito da visita da ministra da Saúde, Sílvia Paula Lutucuta, durante um encontro que manteve sexta-feria com os funcionários da instituição.

Segundo o director, no mesmo ano o hospital registou ainda 446 casos de febre tifóide, sem óbito, 361 registos de tuberculose pulmonar com dois óbitos, igual número em doenças respiratórias agudas com dois falecimentos, bem como 323 casos de diarreias agudas que resultaram em sete mortos.

O vírus de imunodeficiência humana - HIV, teve o diagnóstico de 193 casos com sete óbitos, Chicungunya com 34 casos sem óbito, Dengue com 12 casos sem óbito e demais doenças não especificadas com uma cifra de 51 mortes.

O responsável informou que ao longo do período em análise foram realizadas 66 cirurgias maiores, 245 menores e 285 cesarianas.

Com 267 partos normais, registou-se a ocorrência de 285 partos por cesariana. 

A ministra teve a informação de que a unidade sanitária precisa actualmente de 41 médicos especializados em pediatria (2), dermatologia (1), endocrinologia (1), nutricionista (1), imagiologista (2), hematologista (2), neonatologista (1), oftalmologista (1), anestesista (2), gineco-obstetra (2), pneumologista (2) e oncologista (2).

A unidade de referência carece ainda de dois médicos dermatologistas, dois nefrologistas, um estomatologista, dois cirurgiões plásticas, dois urologistas, dois angiologistas, dois gastroenterologistas, dois cardiologistas, dois neuro-cirurgiões, dois maxilo-faciais e dois para cuidados intensivos.

Actualmente assistem o hospital, 24 médicos dos quais três angolanos, catorze cubanos, três russos e cinco coreanos, bem como 251 enfermeiros (angolanos), onze técnicos de diagnóstico terapêutico (um cubano), 84 efectivos de apoio hospitalar e 33 técnicos administrativos todos angolanos.

São prestados na mesma unidade, inaugurada em 2017, serviços de medicina, ortopedia, cirurgia, pediatria, neonatologia, oftalmologia, otorrinolaringologia, imagiologia, cardiologia, estomatologia, fisioterapia, anatomia patológica, radiologia, cuidados intensivos, consultas externas e de emergências, entre outros.

Com a capacidade de 200 camas, estando em uso 189, o hospital registou em 2018 dois mil seiscentos e sessenta e nove pacientes internados, realizou 15.937 consultas externas e 11.931 serviços de banco de urgência.

Muitos dos pacientes são prevenientes do hospital municipal de Menongue, hospital materno do bairro Victória, hospital sanatório, centro ortopédico, hospital pediátrico, hospital militar das FAA e de postos e centros de saúde.

Leia também