Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

20 Fevereiro de 2019 | 06h32 - Actualizado em 20 Fevereiro de 2019 | 06h32

Traçadas medidas de prevenção contra malária no Cuando Cubango

Menongue - O sector da saúde no Cuando Cubango vai continuar com métodos preventivos contra a malária, como fumegação, pulverização intra-domiliciar, distribuição e uso de redes mosquiteiros tratadas com insecticidas de longa duração.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O facto foi revelado terça-feira, em Menongue, capital do Cuando Cubango, pela chefe do Departamento de Saúde Público e Controlo de Endemias do Gabinete da Saúde, Cristina Luísa, quando balanceava resultados de algumas doenças em 2017-2018.

Segundo a responsável, consta das políticas do governo tratamento intermitente preventivo (TIP), o saneamento do meio ambiente, informação, educação das comunidades, o tratamento de uso de anti-malária recomendados pela Organização Mundial da Saúde.

Esse trabalho será intensificado nos municípios, através da intervenção das administrações municipais, para que haja cada vez mais redução de casos e óbitos por malária e outras doenças, que afectam, sobretudo crianças, mulheres grávidas e outra população adulta.

Para a contínua redução de casos de malária, essencialmente em 2018, foram distribuídos 286 mil 543 redes de mosquiteiros, a nível dos nove municípios do Cuando Cubango.

De rede de mosquiteiros distribuídos, 54 mil 378 abrangeu crianças, 21 mil 371 mulheres grávidas e 27 mil 923 outros beneficiários.

Neste âmbito da redução de casos de malária, em 2018 a ONG Mentor, em coordenação com o sector da saúde, implementou o projecto de pulverização domiciliar nos municípios da orla fronteiriça, concretamente Calai, Cuangar, Dirico e Rivungo.

Esta tarefa começou com a formação de supervisores responsáveis da pulverização residual intra-domiciliar (PRI), com um total de 105 formandos, entre supervisores, operadores, numeradores e mobilizadores para os quatros municípios acima mencionados.   

Informou que, em 2018 no Cuando Cubango foram registados 120 mil 52 casos de malária, que causaram 485 óbitos, com realce para crianças menores de 14 anos de idade e mulheres gestantes, 204 óbitos de 2017.

Tuberculose

Em relação a tuberculose, avançou o registo, dos 2 mil 485 casos observados, da morte de 125 pessoas, tendo considerado a tuberculose constituir ainda um problema de saúde pública no Cuando Cubango, em função de estar entre as cinco principais causas de morbilidade.

Durante 2018 o Programa Provincial de Tuberculose e Lepra manteve as suas actividades de rotina, que são consultas, diagnóstico, tratamento dos pacientes novos e seguimento dos doentes da segunda fase e ambulatórios.

O programa não efectuou actividades extras por não ter sustentabilidade e meio de transporte para as visitas aos municípios distantes da sede capital, Menongue, a par da falta de reagentes no laboratório da Unidade Sanitária, que felicitariam os exames.

   

Leia também
  • 12/02/2019 09:43:16

    Luanda reforça combate à malária

    Luanda - No período das chuvas, aumentam os charcos e lagoas, e consequentemente a proliferação de larvas e mosquitos, como Anopheles e o Aedes Aegypty, transmissores da Febre Amarela, Malária, Dengue, Chikungunya, Zika, dentre outras doenças.

  • 10/02/2019 18:11:05

    Casos de malária superam estatísticas no Hospital Geral

    Menongue - Quatro mil casos de malária, com 52 óbitos, foram registados em 2018 no Hospital Geral do Cuando Cubango, tida como uma doença que supera as estatísticas entre as demais, informou o director desta instituição, Fernando Cassanga.

  • 10/02/2019 17:12:23

    Governo gasta milhões de euros na evacuação de pacientes - ministra da Saúde

    Menongue - O Governo Angolano está a trabalhar afincadamente na formação especializada de médicos em várias áreas, para reduzir os custos de evacuação de pacientes nacionais para o exterior do país, que são avultados, referiu neste sábado, no município do Cuito Cuanavale, Cuando Cubango, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta.