Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

06 Novembro de 2019 | 01h46 - Actualizado em 06 Novembro de 2019 | 11h23

MINSA repõe stock de medicamentos no Hospital do Lobito

Lobito -Vinte e seis toneladas de medicamentos e material gastável foram entregues, esta terça-feira, à Direcção do Hospital Geral do Lobito, para atenuar a escassez de remédios provocada pelo incêndio de segunda-feira na farmácia da unidade hospitalar.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Acto de entrega dos medicamentos disponibilizados pelo MINSA para o Hospital do Lobito

Foto: José honorio

Antimaláricos, tuberculostáticos, analgésicos, xaropes, antipiréticos, reagentes para exames laboratoriais, medicamentos para hipertensão, embalagens de soro e vários injectáveis constam da oferta do Ministério da Saúde (MINSA), que chegou à província de Benguela 24 horas depois do fogo de origem ainda desconhecida, que provocou a quebra no stock do Hospital do Lobito.

Esta primeira assistência do Governo inclui 500 redes mosquiteiras, medicamentos específicos do programa de nutrição e da saúde reprodutiva, 20 colchões hospitalares e diverso material gastável, para dar resposta às necessidades dos pacientes que dependem destes remédios.

Falando à imprensa, após a entrega simbólica dos medicamentos, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, afirmou que estes medicamentos deverão cobrir as necessidades da unidade sanitária nos próximos cinco meses.

Sílvia Lucutuca afirmou que se trata de uma medida de apoio com carácter de urgência, para a reposição de stock do Hospital do Lobito, uma vez que o  depósito de medicamentos, destruído pelas chamas, também apoiava as comunas, no interior do município, e, vezes, servia de “retaguarda” para a província de Benguela.

A resposta do MINSA, adiantou a governante, colmata a falta de medicamentos na unidade hospitalar, nomeadamente para o tratamento das doenças mais correntes, como malária, tuberculose, infecções respiratórias, hipertensão arterial, diabetes, anti-inflamatórios, desparasitantes e material gastável.

A titular da Saúde justifica a resposta rápida das autoridades sanitárias à rotura de medicamentos no Lobito com o programa “das compras agrupadas” do pelouro, que torna sempre possível ter um stock de segurança e, com isso, “expedirmos meios técnicos e medicamentos para todas as províncias”.

Mais meios a caminho

A ministra anunciou que outros meios serão enviados para a província de Benguela, em virtude das capacidades de armazenamento local, orientando o Gabinete Provincial de Saúde de Benguela a encontrar um espaço para aprovisionar os meios, até porque toda a carga proveniente de Luanda não cabe no espaço preparado no Lobito e outra parte fica em Benguela.

Sílvia Lutucuta garante que a situação continuará a merecer atenção especial. Por isso, o diagnóstico local continua durante os próximos dias, para que não falte nada.

A cerimónia de entrega dos medicamentos foi antecedida de uma curta visita ao Hospital Geral do Lobito, onde a ministra se inteirou dos níveis dos prejuizos provocados pelo incêndio e encorajou médicos e enfermeiros a trabalharem de maneira a evitar a quebra no serviço prestado às populações desta localidade.  

A ajuda do MINSA aconteceu depois de, na segunda-feira, o Departamento de Logística Hospitalar do Gabinete Provincial de Saúde e o Hospital Municipal de Benguela terem doado ao Hospital do Lobito lotes de medicamentos compostos, entre outros, por antimaláricos, comprimidos tuberculostáticos, antibióticos, anti-inflamatórios, analgésicos e antiasmáticos.

Também, terça-feira, visitou o Hospital Geral do Lobito o governador de Benguela, Rui Falcão, acompanhado do vice-governador provincial para os Serviços Técnicos e Infra-estruturas, Leopoldo Muhongo.

Com capacidade de internamento para 199 camas, o Hospital Geral do Lobito é a principal unidade de referência deste município a norte da província de. O seu funcionamento é assegurado por 31 médicos nacionais e 24 expatriados.

Além da área de Pediatria e Maternidade, serviços deslocalizados, este hospital realiza consultas de clínica geral para adultos e crianças, como ortopedia, urologia, cardiologia e dermatologia.

Leia também
  • 01/11/2019 23:08:10

    Ministério da Saúde eleva sustentabilidade das unidades sanitária

    Huambo - A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, disse hoje, sexta-feira, no Huambo, que a criação de condições humanas e financeiras, para elevar a sustentabilidade das unidades sanitárias, constitui uma das apostas do sector, no quadro da humanização dos serviços de atendimento médico e medicamentosos.

  • 23/10/2019 18:54:35

    Albinos beneficiam de consultas especializadas gratuitas

    Benguela - Cidadãos albinos vão beneficiar, todas as terças-feiras, de consultas gratuitas de dermatologia, oftalmologia, psicologia clínica, maxilo facial e cirurgia, no Centro Oftalmológico Internacional de Benguela, soube hoje a Angop.

  • 11/10/2019 16:28:14

    Sector da Saúde regista 12 casos de perturbação mental na Ganda

    Ganda - Pelo menos 12 casos de distúrbios mentais, com uma tentativa de suicídio, foram diagnosticados nos últimos nove meses, no município da Ganda (Benguela), afirmou a especialista em tratamento clínico de doenças mentais do hospital local, Florentina Custódio Valério.