Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

25 Abril de 2019 | 11h47 - Actualizado em 25 Abril de 2019 | 16h59

EUA reiteram compromisso de erradicar malária em Angola

Luanda - A embaixadora dos Estados Unidos em Angola, Nina Maria Fite, reiterou o compromisso do seu país em acabar com a malária em Angola.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Embaixadora dos EUA em Angola, Nina Maria Fite

Foto: Lino Guimaraes

Dados oficiais do Ministério da Saúde indicam que, em  2018,  foram registados mais de 2,5 milhões de casos de malária, com três mil 364 mortes.

Num texto publicado na edição de hoje (quinta-feira) do Jornal de Angola, Nina Fite refere que, em 2018, os Estados Unidos investiram 22 milhões de dólares adicionais para ajudar Angola nos esforços de combate à malária e distribuíram quatro milhões de mosquiteiros tratados com insecticida, para ajudar a reduzir a transmissão da doença.

O objectivo é erradicar completamente a malária da face da terra até 2050 e continuar a trabalhar com o povo e o Governo de Angola  para o alcance dessa meta.

Em Angola, a malária representa um problema de saúde pública e é a primeira causa de morte, consultas médicas e de absentismo laboral e escolar, constituindo uma das principais causas de morbi-mortalidade perinatal, aborto, parto prematuro, de baixo peso ao nascer, de anemia em mulheres grávidas e de mortalidade materna.

A doença ainda representa cerca de 35 por cento da demanda de cuidados curativos, 20 por cento de internamentos hospitalares, 40 por cento de morte perinatal e 25 por cento de mortalidade materna.  

"Desde 2005, os Estados Unidos investiram 300 milhões de dólares em Angola para combater a malária e continuam a fornecer especialistas, médicos e cientistas para treinar e auxiliar os profissionais de saúde pública no país", sublinha a embaixadora no texto.

Segundo a diplomata, estes esforços reduziram a mortalidade por malária pela metade na África subsaariana, salvando mais de sete milhões de vidas desde 2000.


O Dia Mundial de Luta Contra a Malária foi instituído em 2007, durante uma sessão da assembleia da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Este ano a efeméride tem como lema “Zero Malária começa comigo”, que reconhece o papel que se pode e se deve desempenhar para o fim da doença.

Assuntos Cooperação   Malária   Saúde  

Leia também
  • 25/04/2019 12:50:00

    MINSA tranquiliza sociedade sobre testes de VIH

    Luanda - O Ministério da Saúde (MINSA) esclareceu, em comunicado, que nenhuma pessoa testada com o reagente Aria, em Dezembro de 2018, saiu com o resultado falso positivo dos seus serviços, e tranquilizou os cidadãos em relação à segurança dos testes de VIH.

  • 24/04/2019 17:53:02

    Assinala-se quinta-feira o Dia Mundial de Combate à Malária

    Luanda - Assinala-se quinta-feira, 25 de Abril, o Dia Mundial de Luta Contra a Malária, instituído em 2007, durante uma sessão da assembleia da Organização Mundial da Saúde (OMS).

  • 24/04/2019 13:28:28

    Moxico regista redução de óbitos por malária

    Luena - Sessenta e oito pessoas morreram por malária durante o primeiro trimestre deste ano na província do Moxico, menos 122 óbitos em comparação com igual período anterior, informou o supervisor provincial do programa da malária, Elias Pereira Alfredo.