Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

05 Outubro de 2019 | 16h20 - Actualizado em 07 Outubro de 2019 | 15h48

BFA investe 20 milhões de Kwanzas para cirurgias

Luanda - Seis das 50 crianças portadoras de hidrocefalia, contempladas pela campanha de cirurgias gratuitas, foram operadas hoje, no âmbito do lançamento do programa "BFA Solidário", avaliado em 20 milhões de Kwanzas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O  programa,  a custo zero, com duração de três meses, foi  lançado no  Centro de Referência, no bairro Kifica, em Luanda,  e será extensivo às demais províncias, sendo o  Moxico a próxima a  beneficiar da campanha para 15 crianças  já identificadas. Depois, segue-se o  Cunene,  com 11, Namibe,  com três,  Luanda, com 47, e outras a serem identificadas noutras regiões.

Em declarações à imprensa,  o diretor-geral do Centro de Hidrocefalia do Kifica,  Mayada Inocente, disse que a instituição  conta com  três médicos fixos e um  número considerável de voluntários especializados  provenientes de outros hospitais, que se predispõem a  atender à  causa.  

O neurocirurgião  referiu  estar  preparado para realizar  mais do que o número estimado, que é inicialmente de  50 crianças, mas que  poderá aumentar devido ao impacto que a divulgação do projecto terá nos próximos dias, receando que a procura ultrapasse  a capacidade das 70  válvulas disponíveis.

A coordenadora nacional dos Hospitais,  Engrácia  Mouzinho,  adiantou que o  Ministério da Saúde tem levado a cabo  várias acções, a fim de minimizar o impacto  desta  e outras patologias  neurocirúrgicas,   com maior  incidência  na realização dos diagnósticos precoces  e tratamento oportuno.

O MINSA adquiriu  aparelhos e kitis neurocirúrgicos,  como válvulas e outros dispositivos médicos.

Para a administradora do BFA, Manuela Moreira,  dada a sensibilidade da causa, o banco pretende tornar o acordo renovável, no âmbito dos projectos de continuidade.

Assuntos Província » Luanda   Saúde  

Leia também