Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

15 Outubro de 2019 | 20h17 - Actualizado em 15 Outubro de 2019 | 20h16

Controlo de infecções por falta de higiene constitui desafio

Luanda - O secretário de Estado para o Ensino Pré-Escolar, Francisco Pacheco, referiu hoje (terça-feira), em Luanda, que a prevenção e o controlo de infecções relacionadas à falta de higiene constitui um grande desafio.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Campanha de lavagem das mão nas escolas (Arquivo)

Foto: Angop

O responsável, que falava na escola do ensino primário 4003 Dom Bosco, no bairro dos Pescadores, em Cacuaco, no acto do Dia Mundial da Lavagem das Mãos, disse que lavar as mãos, com água e sabão, é uma maneira fácil, eficaz e acessível de prevenir-se de doenças e salvar vidas.

Francisco Pacheco fez saber que a efeméride foi instituída em 2008 com o objectivo de sensibilizar as pessoas e lembrar a importância do acto da lavagem das mãos com água é sabão, sendo uma maneira fácil de salvar vidas.

“Os cuidados básicos com a higiene corporal, como lavar as mãos antes de comer e depois de usar a casa de banho, e a higiene oral, são essenciais para evitar doenças e, consequentemente, salvar milhares de vidas e ajudar as crianças a crescer saudáveis,” reafirmou.

Acrescentou ainda que todos devem trabalhar juntos para a implementação do programa de lavagem das mãos e tornar esse procedimento um hábito obrigatório para todo o aluno. 

O director Provincial da Educação de Luanda, Benedito Narciso, disse que a efeméride visa promover e apoiar a cultura da lavagem das mãos com água e sabão, bem como aumentar a consciencialização sobre os benefícios da lavagem das mãos com água e sabão.

“É fundamental reconhecer a higiene das mãos como o caminho para evitar a transmissão de micro-organismos causadores de doenças que podem ser evitadas”, manifestou.

O director Nacional do Ambiente, Nascimento António, considerou o dia como sendo de reflexão do que se pretende para o futuro das crianças.

O responsável chamou a atenção às crianças a pautarem pelos princípios ambientais saudáveis, com vista a evitar as enfermidades.

Por seu turno, o representante da Organização Mundial da Saúde (OMS), Xavier Aramuro, informou que a nível global somente 60 por cento da população tem acesso a água e sabão, e em países em desenvolvimento, entre os quais Angola, apenas 28 por cento da população tem acesso a água e sabão.

Referiu que a lavagem das mãos com água e sabão reduz em 50 por cento a ocorrência de diarreias infecciosas, pelo que as crianças devem saber que lavar as mãos constitui uma forma de prevenir doenças.

Por outro lado, reforçou que globalmente 53 por cento das crianças que estudam têm acesso a água e sabão.

Leia também