Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

03 Março de 2020 | 11h56 - Actualizado em 03 Março de 2020 | 15h09

Doenças cardiovasculares causam 27% das mortes no país

Luanda - As doenças cardiovasculares são responsáveis de 27 por cento de óbitos em Angola, com uma tendência crescente, afirmou hoje (terça-feira), em Luanda, a docente Maria Fernanda Dias.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Doenças cardiovasculares causam mais mortes no país

Foto: Pedro Parente

A profissional falava durante uma mesa redonda “O panorama clínico das diabetes, hipertensão e obesidade", inserida na V Jornada Científica da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto.

Esta percentagem representa mais de um quarto dos casos de mortalidade em cidadãos dos 30 aos 69 anos, destacando a prevenção e a mudança de estilo de vida como as ferramentas principais.

Reiterou que o sedentarismo é o principal causador desses casos, justificando que as pessoas consomem alimentos poucos saudáveis, com bastante gordura, e não praticam exercícios físicos.

A actividade física está relacionada a vários efeitos benéficos como o aumento do gasto energético, melhor condição física, diminuição da pressão sanguínea e da sensação de fome, mobilização de gordura abdomino-visceral, da produção de insulina, diminuição do colesterol e dos triglicérides e o aumento do colesterol.

Lembrou que a hipertensão e a diabetes são duas das doenças crónicas que mais preocupam os profissionais da saúde em todo o mundo, e ambas são consideradas “assassinas silenciosas”, por não apresentarem maiores sintomas até o momento em que colocam em risco a vida do portador.

Os riscos à saúde aumentam ainda mais quando a pessoa apresenta as duas enfermidades: é diabético e tem pressão alta, acrescentando que as duas se desenvolvem a partir de condições semelhantes, ligadas à falta de actividade física e à má alimentação.

As pessoas devem escolher alimentos correctamente, optar mais pelos que a natureza produz, evitar o excesso de industrializados e principalmente os ultraprocessados, devem ainda procurar mastigar bem os alimentos, para terem melhor digestão, absorção de nutrientes, saciedade e consequentemente controle do metabolismo e peso corporal.

Com término previsto para quarta-feira, o evento é dirigido especialmente para os estudantes da Faculdade de Medicina para servirem de influenciadores educativos e difundirem o aprendizado aos familiares e a comunidade no que toca a prevenção.

Assuntos Saúde  

Leia também
  • 04/03/2020 13:11:26

    Venda a céu aberto ameaça saúde pública

    Luanda - Numa altura em que as atenções do mundo estão viradas para o combate ao coronavírus (Covid-19), já com dois casos positivos confirmados no continente africano, em Angola alguns cuidados de higiene continuam a ser ignorados por vendedores dos mercados a céu aberto.

  • 03/03/2020 08:31:07

    Covid-19: Medidas adoptadas são recomendações da OMS - Manuel Augusto

    Brasília (Do enviado especial) - O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, disse segunda-feira, em Brasília, Brasil, que as medidas adoptadas pelo executivo angolano, com destaque para a quarentena, são recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

  • 02/03/2020 17:00:26

    Huíla regista mais de 200 novos casos do Vih-Sida

    Lubango - Duzentos e 53 novos casos de Hiv/Sida foram notificados pelas autoridades sanitárias da província da Huíla de Janeiro ao final de Fevereiro, mais de 45 em relação a igual período de 2019.