Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

22 Março de 2020 | 13h32 - Actualizado em 24 Março de 2020 | 11h57

Covid-19: GPL cria centros de acolhimento provisórios para vulneráveis

Luanda - O governo provincial de Luanda (GPL) vai criar, em função da pandemia Coronavírus (Covid-19), centros de acolhimento provisórios para albergar crianças, adolescentes, jovens e adultos, que vivem na rua.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Dístico do COVID-19, novo Coronavírus

Foto: Divulgação

Para a criação dos espaços, o governador de Luanda, Sérgio Luther Rescova, orientou neste domingo, os administradores municipais para identificarem de imediato lugares nas suas municipalidades.

Em declarações à imprensa, no final de um encontro no salão nobre do GPL, para o reforço das estratégias de prevenção na urbe Luandense, em função dos dois casos positivos do COVID 19, na capital do país, o governador disse que para além da atenção preventiva, os mesmos vão receber apoio alimentar.

Precisou que os administradores foram também orientados para identificarem espaços que possam vir a ser usados para questões de emergência no quadro da Covid-19.

Para o efeito, o governador sublinhou que gostaria de contar com a colaboração da sociedade, na sensibilização dos vulneráveis para acatarem as medidas que serão tomadas pelas autoridades da província de Luanda.

Fez saber por outro lado, que serão restringidas as visitas nos lares de acolhimento de crianças e idosos, existentes, no sentido de se evitar situações de contágio.

Por outro lado, Luther Rescova defendeu a necessidade do reforço das unidades hospitalares com medicamentos essenciais para doenças tropicais, face ao surto da pandemia, prevendo um aumento da demanda de pacientes nas unidades sanitárias públicas e os fármacos essenciais devem estar disponíveis.

Segundo o governador, são algumas das medidas específicas para se dar resposta as exigências e fazer com que não falte medicamentos, porque, além do COVID-19, as doenças  tropicais continuarão a merecer atenção, sob pena de tornar os munícipes mas fragilizados e vulneráveis a nova epidemia.

A comissão, prosseguiu, deve igualmente reforçar o material da Bio-segurança, pois não bastam os cuidados  recomendados, mas sim um conjunto de condições logísticas que devem estar disponíveis nas administrações municipais e bairros, para onde for possível serem distribuídos às populações para prevenção.

Adiantou  que o governo da província esta a equacionar o reforço da protecção dos profissionais da saúde e administrativos que trabalham com as populações em situação  vulnerável, dai que  a prevenção deve ser contínua.

Assuntos Província » Luanda   Saúde  

Leia também
  • 24/03/2020 10:13:04

    Morre músico Manu Dibango vítima de Covid-19

    Luanda - O saxofonista camaronês Manu Dibango morreu hoje em França aos 86 anos, vítima da covid-19, disse à France Presse Thierry Durepaire que geria a carreira do famoso músico de afro-jazz.

  • 24/03/2020 09:07:20

    COVID-19: PERGUNTAS E RESPOSTAS

    Os coronavírus são uma grande família de vírus que causam doenças que variam do resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória do Médio-Oriente (MERS) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS).

  • 24/03/2020 01:45:47

    COVID-19: Síntese Nacional

    Luanda - Angola registou, segunda-feira, o terceiro caso positivo do novo Coronavírus (Covid-19), contraído por um cidadão angolano, de 23 anos, proveniente de Espanha, com escala em Portugal, no voo do dia 17 do corrente mês.

  • 23/03/2020 22:57:33

    COVID-19: Angola conta com Cuba no combate à pandemia

    Luanda - Angola vai contar com o apoio de médicos cubanos, nos próximos dias, na assistência, prevenção, busca activa e controlo do Covid-19 (Coronavírus), medidas que visam mitigar o impacto da pandemia no país, afirmou hoje a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta.