Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

10 Abril de 2020 | 13h33 - Actualizado em 10 Abril de 2020 | 13h33

Covid-19: Chineses e angolanos condenados por desobediência

Lobito - Quatro cidadãos chineses e um angolano, pertencentes a empresa “Calçado Estrela”, foram condenados, com penas que vão de três dias a dois meses, pelo Tribunal de Comarca do Lobito, na província de Benguela, pelo crime de desobediência.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Benguela: Edifício do tribunal de Comarca do Lobito

Foto: Joaquina Bento

Os mesmos tentavam viajar para Luanda durante o Estado de Emergência em vigor no país. Neste grupo faz ainda parte mais um jovem angolano, absolvido pela justiça.

Lin Niki, líder do grupo, foi condenado a dois meses de prisão correccional com pena suspensa, 80 mil kwanzas de taxa de justiça e 15 mil kz de emolumento à intérprete da língua mandarin, já que nenhum deles falava português.

Cheng Chung, Fang Ming e Chang Ming receberam a mesma sentença, sendo um mês e 15 dias de prisão, com pena suspensa, 60 mil kwanzas de taxa de justiça e igualmente 15 mil kwanzas para a intérprete.

Os dois jovens angolanos, ambos motoristas da empresa que tinham a missão de transportar os chineses em duas carrinhas, tiveram assim sortes diferentes.

Rui Araújo Saldanha foi condenado a três dias de prisão correccional com pena suspensa, com efeito a partir do dia 10 do corrente mês e a pagar 10 mil kwanzas de taxa de justiça, devido a algumas imprecisões nas suas declarações,  enquanto que Abel Araújo Saraiva foi absolvido em função do seu bom comportamento perante a justiça.

A comitiva foi interpelada pelo Destacamento de Socorro e Prevenção de Sinistralidade Rodoviária da comuna da Canjala, a 100 quilómetros do Lobito, quando pretendiam viajar sem algum documento que autorizava a sua deslocação, ignorando o Decreto Presidencial 82/20 de 2 de Março, que proíbe as viagens interprovinciais.

Durante a fase de interrogatório, alegaram ter sido chamados pelos seus colegas em Luanda devido ao furto de algum material num dos seus armazéns na cidade capital.

No fim da audiência, o mandatário dos réus, Márcio Pintar, manifestou a sua satisfação pelo veredicto final, dizendo que numa fase destas, não seria conveniente mandar os homens para a cadeia, por tão pouco tempo, uma vez que o governo está precisamente a evitar os aglomerados de pessoas por causa da possível contaminação da Covid-19.

Leia também
  • 10/04/2020 13:04:36

    COVID-19: Empresários na Lunda Sul apoiam famílias

    Saurimo - Três empresários do município de Saurimo, província da Lunda Sul, entregaram hoje, sexta-feira, ao governo local quatro toneladas de bens diversos com vista a ajudar as famílias mais carenciadas, no âmbito das medidas de prevenção e contenção da pandemia da covid-19.

  • 10/04/2020 12:46:10

    Covid-19: Autoridades encerram 28 mercados informais

    Lubango - Pelo menos 28 mercados, maioritariamente informais, foram encerrados pelas autoridades da província da Huíla, nos últimos 13 dias, durante o Estado de Emergência no país, face à covid-19, por serem considerados locais de risco, sem o garante das condições de higiene.

  • 10/04/2020 12:35:16

    Covid-19: Saúde forma quadros de diagnóstico

    Lubango - Pelo menos mil técnicos de saúde de hospitais provinciais do município do Lubango já estão capacitados para diagnosticar e despistar possíveis casos de doentes com a Covid-19 do convívio de outros pacientes, assim como em matérias de biossegurança sobre a pandemia.