Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

08 Abril de 2020 | 19h45 - Actualizado em 09 Abril de 2020 | 10h45

MINSA justifica requisição civil

Luanda - A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, esclareceu, nesta quarta-feira, que a requisição dos profissionais reformados do sector deve-se à necessidade de se reforçar as unidades sanitárias e os centros de quarentena e tratamento da Covid-19.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta

Foto: Braúlio Pedro

Ao intervir na habitual conferência de imprensa para a actualização de dados  sobre a pandemia da Covid-19 no país, a dirigente reconheceu que os profissionais disponíveis são insuficientes para atender à demanda.

Na última terça-feira, o Ministério da Saúde decretou que os profissionais requisitados devem apresentar-se em locais e dias a serem definidos pelos Gabinetes Provinciais da Saúde.

“Os profissionais requisitados devem somente trabalhar nos centros de quarentena ou em unidades de referência, para o tratamento de pacientes com Covid-19, após avaliação positiva”, lê-se no decreto ministerial.

Os Gabinetes Provinciais da Saúde, conforme o documento, devem assegurar todo o apoio necessário aos profissionais requisitados para o exercício das suas actividades, bem como definir as modalidades do regime de trabalho.

O Ministério da Saúde garante o pagamento de salários e subsídios de acordo com a categoria de saída de cada profissional, clarifica o decreto.

Dados oficiais indicam que Angola tem mais de sete mil médicos no activo, dos quais 919 estrangeiros, para cerca de 30 milhões de habitantes.O sector da saúde conta também com mais de 40 mil enfermeiros de vários níveis.

No concurso público de ingresso de novos profissionais, realizado este ano, foram disponibilizadas 1.242 vagas para a carreira médica, 2.757 para a enfermagem, 1.691 para técnicos de diagnóstico e terapeuta, bem como 779 profissionais de apoio hospitalar e 531 no regime geral.

Até ao momento, Angola soma 19 casos positivos da Covid-19, todos importados, tendo ocorrido duas mortes e igual número de recuperações. O demais 15 pacientes continuam em tratamento.

Assuntos Angola  

Leia também