Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

30 Setembro de 2020 | 17h48 - Actualizado em 30 Setembro de 2020 | 17h47

Centro de Reabilitação fabrica muletas com matéria-prima local

Huambo - O Centro de Medicina Física e Reabilitação “Princesa Diana” no Huambo, passou, este ano, a utilizar matéria-prima local no fabrico de muletas, fruto da parceria com o laboratório de Electro-medicina do Instituto Superior Politécnico da Universidade José Eduardo dos Santos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Centro de Medicina Física e Reabilitação " Princesa Diana"

Foto: Arquivo

Esta informação foi prestada hoje, quarta-feira, à ANGOP, pelo director-geral da unidade sanitária, Fernando Ferreira Vicente, acrescentando que o centro tem igualmente parceria com empresas do sector empresarial privado, para o fornecimento de alumínio e borracha, principais matéria-primas para produção de muletas.

Salientou que antes destes acordos institucionais as peças eram encomendadas em outros centros do país ou mesmo importados.

Apesar de não apresentar dados comparativos, Fernando Ferreira Vicente referiu que esta parceria permitiu elevar os níveis de produção, com uma média mensal de 50 muletas, cifra muito superior em relação aos anos anteriores, em que recorriam aos demais centros do país e não só, para obter o material.

Prossegui que, neste momento, o Centro de Medicina Física e Reabilitação do Huambo conta com um stock de duas mil muletas, que também deverão ser distribuídas, nos próximos dias, para outros centros do país, devido a carência com que muitos deles se debatem.

Segundo o responsável, “para a montagem de muletas, cuja qualidade melhorou significativamente, houve um grande esforço de recuperação das máquinas que estavam inoperantes há algum tempo”.

No que tange ao fabrico de próteses e orteses, o responsável disse que a média mensal, para cada um destes meios, ronda nos 60 por cento, em função da demanda, mantendo os níveis de produção desde a reinauguração da instituição sanitária, em 2019.

Fernando Ferreira Vicente fez saber que, apesar das medidas de restrições impostas pela pandemia Covid-19, o centro mantém funcional os serviços de ginásio, electroterapia, hidroterapia, massoterapia e reabilitação pediátrica.

Nestas especialidades, em média diária, o Centro de Medicina Física e Reabilitação Princesa Diana”, atende 200 pacientes, provenientes dos 11 municípios do Planalto Central e outras províncias vizinhas.

Em funcionamento desde 1979, tendo sido o primeiro do país, e reinaugurado a 27 de Setembro de 2019, pelo Príncipe Harry, do Reino Unido, o centro foi criado para ajudar a recuperação de pessoas com deficiência física, contando com características específicas para recuperação de pacientes e fabricação de próteses e órteses.

Localizado no bairro da Bomba Alta, arredores da cidade Huambo, esta instituição tem como foco a confiança, acessibilidade e a inovação”.

Assuntos Província » Huambo  

Leia também
  • 30/09/2020 17:13:31

    Campanha de vacinação integrada com resultados acima da meta

    Huambo - Seiscentos e 74 mil e 342 crianças, dos zero aos cinco anos de idade, foram imunizadas na província do Huambo, durante a campanha integrada de vacinação contra a pódio, decorrida de 04 a 12 deste mês.

  • 29/09/2020 17:18:13

    Covid-19: Pacientes transferidos para tratamento domiciliar

    Huambo - Treze dos 21 casos activos de Covid-19 na província do Huambo, em tratamento no centro especializado do hospital do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB), passaram para o tratamento médico domiciliar.

  • 28/09/2020 14:16:54

    Crianças morrem por sarampo na aldeia de Camela

    Huambo - Seis crianças, menores de cinco anos de idade, morreram, desde o início do mês em curso, na aldeia de Camela, no município do Cachiungo, província do Huambo, vítima de sarampo, de acordo com o soba da localidade, Amândio Chilungo.