Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

27 Abril de 2015 | 15h21 - Actualizado em 27 Abril de 2015 | 16h18

Angola: País notifica oito mil casos de violência doméstica em 2014

Luanda - Oito mil casos de violência doméstica foram notificados, durante o ano de 2014, a nível do país, apontando para um aumento considerável em relação aos números de 2013 que mostraram quatro mil 140, informou à Angop a ministra da Família e Promoção da Mulher, Filomena Delgado.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Ministra da Família e Promoção da Mulher, Filomena Delgado

Foto: Joaquina Bento

Ministra da Família e Promoção da Mulher, Filomena Delgado

Foto: Joaquina Bento

A governante avançou a informação  durante uma recente entrevista exclusiva á Angop,  a propósito dos ganhos do sector ao longo dos 40 anos da independência nacional, a ser celebrado a 11 de Novembro, frisando que os dados do primeiro trimestre de 2015 estão a ser consolidados.

“Então, estamos a compilar os dados, porque a violência continua a preocupar-nos sobretudo aqueles casos que tem a ver com a fuga à paternidade, a prestação de alimentos e a expropriação das propriedades das famílias e são casos que realmente interferem muito, digamos, de forma negativa no gozo do exercício dos direitos das vitimas, quer sejam mulheres ou homens, apesar de que  na perspectiva do género as mulheres são ainda as maiores vítimas", sublinhou.

A fonte realça que dos factos registados, foram punidos acima de 500 casos  em várias  caracterizações, uns têm a ver com as  violações sexuais, onde há  muitos casos de incestos, depois existem  casos de homicídios. Nas questões cíveis, há questões de fuga à paternidade que lideram os índices de violência.

Segundo a ministra Filomena Delgado,  hoje não é só o Ministério da Família que lida com as questões da violência,  tendo revelado a criação de uma Comissão Inter-Ministerial, onde também participam algumas associações como a Ordem dos Advogados e outras organizações femininas que lidam com estas questões de violência no género.

De acordo com a governante , a impetuosidade não só afecta as mulheres, mas os homens também são alvo de violência doméstica.”Para estes casos, a  Ministra  aconselha a equipa de reportagem da Angop a visitar a cadeia de Viana, para ver quantas mulheres detidas por terem morto os seus esposos e, nesta camada, o órgão que dirige também esteve a fazer uma análise o porque desta atitude”, disse.

Para si,  o factor educação intervem muito no comportamento das agressoras, assim como a falta de emprego e muitas das vezes a sua tolerância chega ao limite e a emoção fala mais alto que a razão, daí ter registos de  muitos casos.

Segundo a governante,  o Ministério da Família e Promoção da Mulher (Minfamu) já alfabetizou  mais de 20 mil mulheres e algumas jovens de ambos os sexos, de forma a  reduzir o índice de analfabetismo .

Filomena Delgado disse que o seu sector tem implementado alguns programas de formação, não tanto académica, mas profissional de base para garantir  os pressupostos mínimos, afim de que as pessoas recorram sobretudo ao auto-emprego.

“Temos um Centro de Formação aqui no Rangel, estamos a fazer uma formação com jovens e a nível sócio-económico estamos a aproveitar a micro-indústria tradicional para o fabrico de sabão,  processamento alimentar sobretudo frutas e compotas com alguma parceria da FAO (Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) e do Brasil”, enfatizou.

Acrescenta que este é  um projecto que vai decorrer a nível de todo o país, num esforço para depois as pessoas criarem os seus pequenos negócios e não só também fazer outras coisas no fabrico de bijuterias para fomentar o micro-empreendedorismo e depois as pessoas irem ao encontro do emprego.

Leia também