Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

16 Fevereiro de 2017 | 18h02 - Actualizado em 17 Fevereiro de 2017 | 07h52

Angola: Garantida colocação de sinalização de paragens de táxis

Luanda - Aproximadamente mil paragens de táxis serão disponibilizadas dentro de 20 dias, em toda extensão da província de Luanda, garantiu,quinta-feira, o gerente da empresa encarregue de sinalizar as zonas, Walter Prado.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Eduardo Diogo, Comandante Municipal de Luanda

Foto: Cortesia de Assis Quituta

O responsável fez esta revelação no final de um encontro promovido pelo Governo Provincial de Luanda (GPL), orientado pelo seu vice-governador para área económica, José Cerqueira, com responsáveis da Associação dos Taxistas de Luanda (ATL) e a Polícia Nacional.

A reunião realizou-se em virtude de uma anunciação, em carta endereçada pela Associação Nova Aliança dos Taxistas, ao governador provincial, da paralisação dos serviços dos taxistas, a partir do dia 20 (segunda-feira) do corrente mês.

Entre as reclamações dos homens do volante, constam o mau estado das vias, falta de paragens para carga e descarga de passageiros e as constantes interpelações por parte da polícia.

Walter Prado informou ainda que para além das mil paragens para os táxis colectivos, serão também providenciadas outras 98 para autocarros.

Neste momento estamos a trabalhar com o governo da província, num processo de contatação, estando previsto para segunda-feira o início das sinalizações nas áreas que já estão definidas pelo GPL, sublinhou.

Segundo Manuel Faustino, responsável da ATL, as reclamações apresentadas pelos taxistas têm razão de ser, mas são insuficientes para obrigar a uma paralisação que poderia causar enormes consequências para a sociedade.

“Há necessidade de termos paragens, tomar medidas a alguns agentes da polícia que têm constrangido o nosso trabalho, mas não é razão para se fazer greve ou qualquer tipo de manifestação contrária ao nosso exercício”, alertou.

O responsável augura que a empresa encarregue de sinalizar as paragens trabalhe com celeridade e cumpra com o prazo si avançado.

As reivindicações em relação a falta de paragens, têm sido feitas com frequência, tendo provocado uma paralisação dos serviços de táxis, como aconteceu no dia 18 de Abril de 2005, quando os taxistas da cidade de Luanda paralisaram a sua jornada laboral para protestarem contra o mau estado das estradas na capital.

No dia 05 de Outubro de 2015 registou-se outra paralisação parcial, em que os taxistas discordavam com as novas paragens estabelecidas pelo Governo Provincial de Luanda, nos diversos municípios e distritos, o que dificultou a deslocação de munícipes para os seus locais de trabalho e outros destinos.

Durante a referida paralisação observou anarquia de alguns taxistas que partiram vidros de algumas viaturas, causando danos materiais, e agrediram algumas pessoas.

Entretanto, o comandante municipal da polícia de Luanda, superintendente chefe Eduardo Diogo, adverte aos promotores da aludida paralisação, prevista para segunda-feira, no sentido de evitarem distúrbios, porque o seu órgão vai defender a ordem e a tranquilidade públicas.

Os representantes da Nova Aliança estiveram ausentes do encontro por motivos alheios ao GPL.

Leia também