Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

06 Dezembro de 2018 | 20h05 - Actualizado em 06 Dezembro de 2018 | 20h05

Combate à violência doméstica requer envolvimento das universidades

Huambo - As instituições de ensino universitário foram hoje, quinta-feira, recomendadas a envolverem-se mais no combate à violência doméstica, elaborando estratégias que possam ajudar na prevenção das suas causas e consequências.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A recomendação consta do comunicado final do encontro da Comissão Provincial de Combate à Violência Doméstica da província do Huambo, realizado hoje, no qual os participantes concluíram serem complexas as causas do fenómeno, que requer um estudo científico aturado.

Afirmam que as medidas actuais, consubstanciado na realização de palestras e campanhas de sensibilização não têm sido eficazes, porquanto o problema  tem atingido níveis preocupantes, com reflexos bastantes negativos na desestabilização das famílias e da sociedade, em geral.

Por isso, defendem que as instituições universitárias orientem os seus estudantes a abordarem nas suas tarefas científicas e, sobretudo, nos seus trabalhos de fim de cursos, temas relacionados com a violência doméstica, para que possam ajudar na busca de soluções para o seu combate.

“É pertinente a conjugação de esforços das instituições daquele subsistema de ensino, para que, dentro das suas responsabilidades sociais, contribuam para a redução, num curto espaço de tempo, da violência doméstica”, lê-se no documento.

No comunicado final, os participantes recomendaram ainda maior responsabilidade dos pais na educação dos filhos, na transmissão de valores e promoção do desenvolvimento integral dos seus membros, para que possam influenciar positivamente nas mudanças sociais e comportamentais das comunidades.

Recomendaram ainda ao Gabinete provincial da Acção Social, Família e Igualdade do Género do Huambo, a realizar, em parceria com as administrações municipais e igrejas seminários sobre psicoterapia familiar, no sentido de se evitar o fracasso dos lares.

De Janeiro a Novembro do ano em curso, o Gabinete provincial da Acção Social, Família e Igualdade do Género do Huambo registou cerca de 778 casos de violência domestica, contra os 913 do igual período em análise.

O encontro que decorreu sob o lema “Desafiemos as barreiras do silêncio e denunciemos as acções de violência”, visou proceder a avaliação da situação da violência domestica na província.

Assuntos Província » Huambo  

Leia também
  • 04/02/2019 17:54:35

    Central híbrida do Londuimbali em fase experimental

    Londuimbali - Duzentos e 50 quilowatts de energia eléctrica estão a ser produzidos em regime experimental, desde a semana passada, pela central híbrida do município do Londuimbali, na província do Huambo.

  • 04/02/2019 17:52:03

    Município do Huambo ganha equipamentos sociais

    Chipipa - Uma escola e um sistema de rega foram inaugurados hoje, segunda-feira, no município do Huambo, província com o mesmo nome, no quadro das comemorações do 58º aniversário do início da Luta de Libertação Nacional.

  • 02/02/2019 19:37:25

    Estudantes do ISP doam bens ao Lar Suku-Ondjali

    Caála - Estudantes do curso de pós-graduação em saúde do Instituto Superior Politécnico do município da Caála, província do Huambo, doaram hoje, bens de primeira necessidade e medicamentos ao lar de acolhimento infantil Suku-Ondjali.

  • 02/02/2019 00:45:55

    Energia eléctrica produzida em Laúca chega este ano ao Huambo

    Huambo - A província do Huambo vai passar a consumir, ainda este ano, energia eléctrica produzida na barragem hidro-eléctrica de Laúca, na província de Malange, anunciou, sexta-feira, o administrador regional da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade, Manuel de José Adão.