Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

06 Março de 2018 | 19h37 - Actualizado em 07 Março de 2018 | 08h03

SJA defende reorientação dos profissionais quanto a ética e deontologia

Luanda - O Sindicato dos Jornalistas Angolano (SJA) defende a reorientação dos profissionais da comunicação quanto a ética e deontologia profissional, fez saber, terça-feira, em Luanda, o seu secretário, Teixeira Cândido.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Albano Pedro, Palestrante

Foto: Antonio Escrivão

Em declarações à imprensa à margem do segundo ciclo de palestra subordinada ao lema "De que jornalismo precisa a nossa democracia", a fonte acrescentou que a classe tem ignorado sucessivamente os critérios éticos e deontológicos, e por este facto, viu-se imperioso reflectir sobre as actividades jornalísticas realizadas nas eleições de 2017, onde foram diagnosticados o desrespeito da compatibilidade profissional.

Reconheceu que a imprensa pública melhorou significativamente, em termos de cobertura e divulgação das notícias, desde o mês de Setembro de 2017, altura em que tomou posse o novo governo saído das eleições desse ano.

No segundo dia do ciclo de palestra, que vai se estender durante todo o mês de Março, usaram da palavra os prelectores, professor Adão Avelino, e o jurista Albano Pedro, que abordaram os temas como “Que valor tem ética hoje para as profissões" e "O poder político e a sociedade", respectivamente.

Na sua dissertação, o professor de ética e filosofia, Adão Avelino, focou os vários aspectos que os profissionais da comunicação social têm cometidos, no que toca a isenção na abordagem dos diferentes temas, bem como o respeito à ética e deontologia profissional, no quadro actual da comunicação em Angola.

Por sua vez, Albano Pedro, fez um rescaldo sobre as dificuldades que existe na cedência de informação entre o poder político e os jornalistas, bem como abordou sobre as liberdades e garantias constitucionalmente consagrado.

O prelector referiu ainda sobre os tipos de informação que devem ser protegidas pelo profissional, como o bom nome, honra, reserva a intimidade privada e familiar, segredo de justiça e de Estado.

Na qualidade de participante, Celso Malavoloneke louvou a iniciativa do sindicato quanto a formação  dos profissionais da comunicação, uma vez que o Ministério de tutela tem levado a cabo ciclos formativos de refrescamento para os jornalistas dos órgãos públicos.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 19/03/2018 21:25:58

    Angola: China doa dois milhões de dólares a refugiados da RDC

    Luanda - A China doou dois milhões de dólares para ajudar os refugiados da República Democrática do Congo, estacionados no campo de Lóvua, na província angolana da Lunda Norte, soube hoje a Angop, em Luanda, de fonte diplomática chinesa.

  • 16/03/2018 19:22:34

    CNJ adia tertúlia com deputados da Assembleia Nacional

    Luanda - O Conselho Nacional de Juventude (CNJ) informa aos líderes das associações juvenis, conselho provincial e municipal de Juventude e demais jovens, que a tertúlia com os deputados da Assembleia Nacional, sobre a proposta de Lei de repatriamento de capital angolano no exterior, marcado para hoje (sexta-feira) foi adiada "sine die".

  • 16/03/2018 19:14:19

    Ministério da Família e Promoção da Mulher diz-se contra males a menores

    Luanda - O registo de vários casos da fuga à paternidade, o abuso sexual a menores e conflitos na disputa de guarda entre casais, são assuntos que o Ministério da Família considera maléficos para as crianças, informou hoje (sexta-feira), nesta cidade, a secretária de Estado do pelouro, Ruth Mixinge.

  • 12/03/2018 19:04:18

    Responsável defende denúncia sobre violação contra criança

    Luanda- Sensibilizar a sociedade no sentido de denunciar os actos de violação dos direitos da criança foi defendida hoje, segunda-feira, em Luanda, pela chefe de Departamento da Informação e Sensibilização do INAC, Rosalina Domingos.