Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

06 Março de 2018 | 19h37 - Actualizado em 07 Março de 2018 | 08h03

SJA defende reorientação dos profissionais quanto a ética e deontologia

Luanda - O Sindicato dos Jornalistas Angolano (SJA) defende a reorientação dos profissionais da comunicação quanto a ética e deontologia profissional, fez saber, terça-feira, em Luanda, o seu secretário, Teixeira Cândido.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Albano Pedro, Palestrante

Foto: Antonio Escrivão

Em declarações à imprensa à margem do segundo ciclo de palestra subordinada ao lema "De que jornalismo precisa a nossa democracia", a fonte acrescentou que a classe tem ignorado sucessivamente os critérios éticos e deontológicos, e por este facto, viu-se imperioso reflectir sobre as actividades jornalísticas realizadas nas eleições de 2017, onde foram diagnosticados o desrespeito da compatibilidade profissional.

Reconheceu que a imprensa pública melhorou significativamente, em termos de cobertura e divulgação das notícias, desde o mês de Setembro de 2017, altura em que tomou posse o novo governo saído das eleições desse ano.

No segundo dia do ciclo de palestra, que vai se estender durante todo o mês de Março, usaram da palavra os prelectores, professor Adão Avelino, e o jurista Albano Pedro, que abordaram os temas como “Que valor tem ética hoje para as profissões" e "O poder político e a sociedade", respectivamente.

Na sua dissertação, o professor de ética e filosofia, Adão Avelino, focou os vários aspectos que os profissionais da comunicação social têm cometidos, no que toca a isenção na abordagem dos diferentes temas, bem como o respeito à ética e deontologia profissional, no quadro actual da comunicação em Angola.

Por sua vez, Albano Pedro, fez um rescaldo sobre as dificuldades que existe na cedência de informação entre o poder político e os jornalistas, bem como abordou sobre as liberdades e garantias constitucionalmente consagrado.

O prelector referiu ainda sobre os tipos de informação que devem ser protegidas pelo profissional, como o bom nome, honra, reserva a intimidade privada e familiar, segredo de justiça e de Estado.

Na qualidade de participante, Celso Malavoloneke louvou a iniciativa do sindicato quanto a formação  dos profissionais da comunicação, uma vez que o Ministério de tutela tem levado a cabo ciclos formativos de refrescamento para os jornalistas dos órgãos públicos.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 30/01/2019 17:54:25

    ANDA apoia mais de 60 mil pessoas em 27 anos

    Luanda - Sessenta mil novecentos e noventa pessoas com deficiência beneficiaram de projectos realizados nos últimos 27 anos pela Associação Nacional de Deficientes de Angola (ANDA), informou nesta quarta-feira, o seu presidente, Silva Lopes Etiambulo.

  • 29/01/2019 21:11:53

    ExxonMobil doa mais de um milhão de dólares a projectos sociais

    Luanda - Um milhão e duzentos e cinquenta mil dólares americanos foram doados, nesta terça-feira, em Luanda, pela companhia petrolífera e petroquímica ExxonMobil Foundation, para apoiar esforços da luta contra a malária, incentivo a construção de mais escolas, desenvolvimento das mulheres rurais e preservação da Palanca Negra.

  • 29/01/2019 18:18:48

    Angola participa na abertura do ano da CPLP para a juventude em Lisboa

    Luanda - A ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula da Silva do Sacramento Neto, participa, na quarta-feira, 30, em Lisboa (Portugal), na abertura do “Ano da CPLP para a Juventude“.

  • 26/01/2019 03:26:05

    Resenha Social: Anúncio da promoção de curso acelerado para médicos marca semana

    Luanda - O anúncio do Ministério da Saúde (Minsa) sobre a realização a partir de Junho de um curso acelerado nas várias matérias de medicina teórico e prático dirigido aos médicos não aptos no último concurso público marcou a semana social que hoje, sábado, termina.