Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

16 Maio de 2018 | 14h58 - Actualizado em 16 Maio de 2018 | 14h57

Líderes religiosos querem mais seriedade na constituição de famílias

Huambo - A falta de seriedade no momento das pessoas decidir casar-se, para, consequentemente, constituírem famílias, foi apontada hoje, quarta-feira, na província do Huambo, como a principal causa da desestruturação familiar no país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A constatação é dos líderes religiosos entrevistados pela Angop, a propósito do Dia Internacional da Família, comemorado na terça-feira, ao admitirem que muitas famílias são constituídas sem estarem preparadas para cumprirem com o seu papel social.

A título de exemplo, o secretário executivo da Convenção Baptista de Angola nesta região, pastor Martinho Sequesseque, afirmou que os problemas que actualmente se registam na sociedade são consequência do estado em que se encontram as famílias.

Disse que os valores morais, cívicos e éticos, assim como a boa educação, que a sociedade reclama deviam ser promovidos no seio familiar, facto que lamenta não estar a acontecer.

Todavia, desafiou as igrejas, como membros da sociedade civil, a engajarem-se de forma mais activa na missão de recuperar o papel das famílias, começando por orientar os futuros casais.

Quem também reconhece as falhas na constituição das famílias angolanas é o padre Marcelino Pungulimue, que acusa muitos casais de não conhecerem as suas responsabilidades dentro da família e da sociedade.

Para ele, o interesse por bens materiais tem-se sobreposto ao verdadeiro papel da constituição de uma família, apontando como causas imediatas a desestruturação da própria sociedade, cujo núcleo são as famílias.

Já o pastor Afonso Dumbo, da Igreja Evangélica Congregacional em Angola, considera urgente inverter-se a actual tendência de constituição de famílias sem preparação alguma.

Enfatizou que o futuro de qualquer sociedade depende, muito, do tipo de famílias que estão a ser construídas no presente, apelando, por isso, a conjugação de esforços entre o governo e as organizações da sociedade civil.

Assuntos Província » Huambo  

Leia também