Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

10 Agosto de 2018 | 17h37 - Actualizado em 13 Agosto de 2018 | 14h05

Empregadores violam direitos ao declarar "ilícitas" greves - diz Advogado

Luanda - Os empregadores têm violado um direito consagrado na Constituição da República ao considerar "ilícitas" as greves que têm ocorrido nos últimos tempos, considerou hoje, sexta-feira, em Luanda, o advogado Jocelino Malulo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Participantes à Mesa Redonda sobre direito a greve

Foto: Braúlio Pedro

Presidente da Jutra, António Yannick Aragão

Foto: Braúlio Pedro

O causídico prestou essa informação, nesta sexta-feira, numa Mesa Redonda sobre a “A Grave e o Poder Disciplinar do Empregador”, promovido pela Associação dos Juristas do Direito de Trabalho (JUTRA).

Ao dissertar sobre o tema, disse  que o fim deste evento foi perceber em que circunstancias e quais os mecanismos aos empregadores para fazer valer o seu poder disciplinar sobre um colectivo de trabalhadores que corre licitamente a greve, assim como os trabalhadores poderem se defender do poder abusivo do empregador, perante uma greve. 

Baseando-se no Artº 51 da Constituição da República (Direito à Greve e proibição do lock out), o jurista ressalta que a mesma deve ser considerada como uma suspensão colectiva de âmbito total ou parcial consertada e temporal da prestação do trabalho, pelos trabalhadores, logo há uma estruturação dos elementos que constituem o exercício ao direito à greve.  

Quanto a ilicitude da greve, cabe ao empregador, num acto deste, declarar a greve como ilícita ou essa ilicitude ser encarada numa outra entidade, questinou-se. Sublinhou, no entanto, que a suspensão da actividade laboral não pode ser entendida como um fim, mas sim um meio.

 Segundo o fundamento da grave, precisou, ela não é o fim visado pelos trabalhadores, mas um instrumento ou mecanismo a disposição dos trabalhadores para atíngir um determinado fim. Para o secretário-geral do Sindicado dos Enfermeiros de Angola,  António Afonso Kilemba, enquanto sindicalistas devem ficar atentos naquilo que a Lei dispõe e impõe a entidade empregadora cumprir.

Por seu turno, aferiu que os empregadores tem refutado em declarar as greves licitas como greves ilícitas, tendo-se concluído que o único órgão competente para tal é o Tribunal.

Assim sendo, esclareceu, as entidades empregadores têm violado a Lei constantemente, tanto no possesso disciplinar, afastamento e mesmo em situações de aviso prévio.  

O presidente da Associação de Juristas de Direito do Trabalho de Angola (Jutra), António Yannick Aragão, afirmou que o objectivo da mesa redonda foi promover um debate sobre a greve, como sendo um dos pressupostos do direito do trabalhador paralisar a actividade laboral.

O jurista, especializado em Direito do Trabalho, acrescentou ser interesse da associação em olhar para o que a Constituição prevê, sobre o direito de paralisar o trabalho ou seja um direito colectivo dos trabalhadores.

Participaram do evento, juízes, advogados, docentes de Direito, sindicalistas, entre outros convidados.  

A Jutra foi criada em 2016, com o propósito de organizar eventos científicos voltados para o Direito do Trabalho, visando gerar discussões, debates para que o Direito do Trabalho Angolano, seja acompanhado e respeitado, tal qual os fundamentos da sua criação.  

Constitui ainda alguns dos objectivos da Jutra, ajudar os órgãos decisórios como o Executivo, legislativo, judicial e empregadores com recomendações e mostrar o melhor caminho para o Direito do Trabalho.  

Os participantes concluíram não existir greves ilícitas, mas sim greves lícitas, pelo facto da mesma constar na Lei magna (Artº 51º, nº1).  

Assuntos Greve   Sociedade  

Leia também
  • 08/11/2018 17:46:00

    Responsável sugere cooperativas numa única entidade

    Ndalatando - A necessidade da criação de uma única entidade que congregue todos os ramos do cooperativismo para melhor organização e defesa dos seus direitos foi defendida, hoje (quinta-feira), em Ndalatando, Cuanza Norte, pela vice-presidente da Federação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agropecuárias de Angola (Unaca), Ricardina Machado.

  • 08/11/2018 17:31:48

    APROSOC facilita registo de 400 menores de cinco anos

    Luena - Quatrocentas menores vulneráveis, de cinco anos de idade, da comuna do Lucusse, província do Moxico, beneficiaram, de Julho até a presente data, de registo de nascimento gratuito e vacinas contra o tétano e a pólio, no âmbito do Projecto de Apoio à Protecção Social (APROSOC).

  • 08/11/2018 17:24:09

    Anciã morre por Descarga atmosférica no Cuvango

    Cuvango - Uma anciã de 75 anos de idade morreu, quarta-feira, vítima de descarga atmosférica, no município do Cuvango, província da Huíla, informou hoje, quinta-feira, no Lubango, o porta-voz do Comando Provincial dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiro, Inocêncio Hungulo.

  • 08/11/2018 17:15:30

    Paz exercício de soberania e segurança - diz responsável

    Luanda - A construção da paz é um exercício de soberania e de segurança nacional, por constituir a base para a defesa e preservação do bem comum, cujo objectivo fundamental deverá ser dotado as crianças e adultos, considerou hoje, quarta-feira, em Luanda, o director-geral da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), João de Deus.