Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

31 Agosto de 2018 | 17h07 - Actualizado em 31 Agosto de 2018 | 17h07

Empresas diamantíferas e comunidades devem ter acordo

Dundo - As empresas que exploram diamantes ou outro minério nas áreas habitadas devem, antes de iniciar a actividade, ter um acordo com a comunidade para evitar conflitos, explicou hoje, sexta-feira, no Dundo, o procurador da República, Josias de Castro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O magistrado do Ministério Público falava para a comunidade do bairro Soba Fortuna no Fórum sobre os “Direitos e Limitações das Comunidades que vivem nas áreas de Indústria Extractiva,” numa iniciativa da Organização Não Governamental (ONG), Mãos Livres, que visa a promoção e defesa dos direitos humanos e o exercício da cidadania.   

Diz ser de Lei que a terra constitui uma propriedade originária do Estado, mas outras pessoas singulares, públicas e colectivas podem adquirí-la a partir do Estado.

Josias de Castro disse que a disposição legal prevê igualmente terrenos que são de utilidade pública, terrenos urbanos, bem como áreas de utilidade das autoridades tradicionais para a sua realização económica, social e cultural e espiritual.

Por isso, referiu, as empresas que pretenderem explorar diamantes nestas localidades são obrigadas a indemnizar a comunidade na base de um acordo e não expropriar simplesmente terrenos onde possui habitações, lavras, rios e outros bens para sua subsistência.

Para ele, desta forma haverá a garantia do cumprimento dos direitos humanos e a observância da Lei.

“Claro que vivem ali e, então, eles têm o direito de ser indemnizados se haver a necessidade de expropriar a terra para uma actividade de exploração diamantífera. Se for o caso, têm que ter uma compensação justa. É assim que a Constituição prevê”, explicou.

Leia também
  • 31/08/2018 16:53:37

    Mais de 300 famílias inquiridas nas zonas rurais e urbanas no Uíge

    Uíge - Trezentos e 12 agregados familiares das áreas urbanas e rurais, da província do Uíge, inseridas em 36 secções, já foram inqueridas desde o início da segunda fase do Inquérito de Despesas, Receitas e Emprego em Angola (IDREA), promovido pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

  • 31/08/2018 16:32:36

    Mais de 100 famílias sob risco de enfrentar inundações em Ndalatando

    Ndalatando - Cento e noventa e duas famílias dos bairros Kilamba Kiaxi e Banga, periferia de Ndalatando, província do Cuanza Norte, vivem actualmente sob o risco de ficarem afectadas pelas inundações de chuvas, por terem construído as suas residências à beira rio Camungo, que circunda essas áreas, informou à Angop, hoje (sexta-feira), nesta cidade, o Serviço de Protecção Civil e Bombeiros (SPCB).

  • 31/08/2018 16:14:25

    Colisão na Lunda Norte provoca interdição de circulação na EN 180A

    Dundo - Uma colisão entre duas viaturas (uma pesada e outra ligeira), na madrugada de quinta-feira, provocou a interdição da circulação automóvel sobre a ponte do rio Chiumbwe na EN180A nos dois sentidos, Dundo/Nzaji e vice-versa.