Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

31 Agosto de 2018 | 17h07 - Actualizado em 31 Agosto de 2018 | 17h07

Empresas diamantíferas e comunidades devem ter acordo

Dundo - As empresas que exploram diamantes ou outro minério nas áreas habitadas devem, antes de iniciar a actividade, ter um acordo com a comunidade para evitar conflitos, explicou hoje, sexta-feira, no Dundo, o procurador da República, Josias de Castro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O magistrado do Ministério Público falava para a comunidade do bairro Soba Fortuna no Fórum sobre os “Direitos e Limitações das Comunidades que vivem nas áreas de Indústria Extractiva,” numa iniciativa da Organização Não Governamental (ONG), Mãos Livres, que visa a promoção e defesa dos direitos humanos e o exercício da cidadania.   

Diz ser de Lei que a terra constitui uma propriedade originária do Estado, mas outras pessoas singulares, públicas e colectivas podem adquirí-la a partir do Estado.

Josias de Castro disse que a disposição legal prevê igualmente terrenos que são de utilidade pública, terrenos urbanos, bem como áreas de utilidade das autoridades tradicionais para a sua realização económica, social e cultural e espiritual.

Por isso, referiu, as empresas que pretenderem explorar diamantes nestas localidades são obrigadas a indemnizar a comunidade na base de um acordo e não expropriar simplesmente terrenos onde possui habitações, lavras, rios e outros bens para sua subsistência.

Para ele, desta forma haverá a garantia do cumprimento dos direitos humanos e a observância da Lei.

“Claro que vivem ali e, então, eles têm o direito de ser indemnizados se haver a necessidade de expropriar a terra para uma actividade de exploração diamantífera. Se for o caso, têm que ter uma compensação justa. É assim que a Constituição prevê”, explicou.

Leia também
  • 08/11/2018 17:46:00

    Responsável sugere cooperativas numa única entidade

    Ndalatando - A necessidade da criação de uma única entidade que congregue todos os ramos do cooperativismo para melhor organização e defesa dos seus direitos foi defendida, hoje (quinta-feira), em Ndalatando, Cuanza Norte, pela vice-presidente da Federação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agropecuárias de Angola (Unaca), Ricardina Machado.

  • 08/11/2018 17:31:48

    APROSOC facilita registo de 400 menores de cinco anos

    Luena - Quatrocentas menores vulneráveis, de cinco anos de idade, da comuna do Lucusse, província do Moxico, beneficiaram, de Julho até a presente data, de registo de nascimento gratuito e vacinas contra o tétano e a pólio, no âmbito do Projecto de Apoio à Protecção Social (APROSOC).

  • 08/11/2018 17:24:09

    Anciã morre por Descarga atmosférica no Cuvango

    Cuvango - Uma anciã de 75 anos de idade morreu, quarta-feira, vítima de descarga atmosférica, no município do Cuvango, província da Huíla, informou hoje, quinta-feira, no Lubango, o porta-voz do Comando Provincial dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiro, Inocêncio Hungulo.

  • 08/11/2018 17:15:30

    Paz exercício de soberania e segurança - diz responsável

    Luanda - A construção da paz é um exercício de soberania e de segurança nacional, por constituir a base para a defesa e preservação do bem comum, cujo objectivo fundamental deverá ser dotado as crianças e adultos, considerou hoje, quarta-feira, em Luanda, o director-geral da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), João de Deus.