Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

06 Setembro de 2018 | 19h48 - Actualizado em 06 Setembro de 2018 | 19h48

Habitantes de Penda e Demba querem reabilitação da estrada

Uíge - A população das regedórias de Penda e Demba, na comuna de Quinvuenga, município do Songo (Uíge), está a enfrentar muitas dificuldades para o escoamento dos produtos das suas localidades para a sede municipal e grandes cidades, a fim de serem comercializados devido a degradação da estrada.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Em declarações hoje (quinta-feira), à Angop, os habitantes pediram à Administração Municipal no sentido de reparar a estrada e colocar pontes que também estão a inviabilizar a circulação de viaturas de grande porte que se arriscam a chegar as referidas aldeias.

O soba da aldeia de Demba, Domingos António, admitiu que a população local vive em péssimas condições, visto que apesar de dedicar-se ao trabalho do campo,  não consegue escoar os seus produtos, por falta de pontes, situação associada ao mau estado da estrada.

Solicitou, por isso, as entidades de direito a fim de resolverem o problema o mais rápido possível.

Já os camponeses Jorge Jaime e António Domingos disseram produzir muita mandioca, banana, gergelim, café e outros produtos, mas os produtos têm estragado nas lavras por falta de meios para levá-los aos mercados.

E em resposta a esta situação, a administradora municipal do Songo, Adelina Alexandre Pinto, reconheceu que a estrada está muito estragada, facto que impede os carros chegarem com facilidade a localidade, garantindo que no plano de acções 2018/2019, consta a reabilitação dos referidos troços das regedorias de Demba e Penda,  25 e 38 quilómetros da comuna de Kimbuenga, respectivamente.

Adelina Pinto fez saber que a administração já começou a intervencionar naquelas localidades, esclarecendo que em 2017, foram colocadas as pontes sobre os rios Nzadi e Manzau, inauguradas pelo então governador do Uíge, Paulo Pombolo.

 “Quero tranquilizar a população que bons dias vêm ali, essa situação será resolvida no próximo ano. Os habitantes têm nos solicitado também a realização do registo de nascimento e  vamos fazer deslocar a essas comunidades uma equipa para o efeito”, garantiu a administradora Adelina Pinto.

A comuna do Quinvuenga dista 42 quilómetros a norte da sede municipal do Songo, sendo também a única que compõe o referido município e controla cinco regedorias.

Leia também
  • 11/11/2018 09:09:01

    Governo aposta no resgate das profissões

    Cuito - O governo do Bié vai, a partir do próximo ano, apoiar as pequenas iniciativas de jovens empreendedores com iniciativas de alavancar a economia da região e, fundamentalmente, garantir emprego à juventude.

  • 11/11/2018 08:28:25

    Metade das residências do Quilomoço entregue aos respectivos moradores

    Uíge - Quinhentas e cinco residências da centralidade Horizonte do Quilomoço, na cidade do Uíge, foram entregues aos moradores, desde o passado mês de Agosto, data de início do processo de comercialização.

  • 11/11/2018 07:53:15

    Ex-Leprosaria da Funda regista 50 novos casos em nove meses

    Luanda - A ex-Leprosaria da comuna da Funda, município de Cacuaco, diagnosticou, de Janeiro a Setembro de 2018, 50 novos casos de lepra, deu a conhecer hoje, quinta-feira, em Luanda, o administrador do actual Centro de Saúde e Reabilitação da Funda, Joaquim Imperial Santana.

  • 08/11/2018 17:46:00

    Responsável sugere cooperativas numa única entidade

    Ndalatando - A necessidade da criação de uma única entidade que congregue todos os ramos do cooperativismo para melhor organização e defesa dos seus direitos foi defendida, hoje (quinta-feira), em Ndalatando, Cuanza Norte, pela vice-presidente da Federação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agropecuárias de Angola (Unaca), Ricardina Machado.